Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Programa de Marina não será alterado, dizem coordenadores após acusações

Texto, que passou por duas 'erratas' um dia após divulgação, tem sido alvejado pelas candidaturas de Aécio Neves e Dilma Rousseff por se valer de informações utilizadas anteriormente

Daiene Cardoso e Ricardo Brito , O Estado de S. Paulo

05 de setembro de 2014 | 20h11

Acusada de "plagiadora" pelos adversários na corrida presidencial, os integrantes da campanha da candidata do PSB, Marina Silva, afirmaram nesta sexta-feira, 5, que não vão mudar o programa de governo, que foi apresentado exatamente há uma semana. O texto, que passou por duas "erratas" um dia após ter sido divulgado, tem sido alvejado pelas candidaturas do tucano Aécio Neves e da petista Dilma Rousseff por se valer de informações utilizadas anteriormente. Ambos os lados querem desgastar a candidatura de Marina, que, com estardalhaço, disse ter feito uma consulta à sociedade para montar o programa.

Neca Setúbal, uma das responsáveis pelo programa de governo da candidata à Presidência da República Marina Silva (PSB), disse que a campanha não fará revisão das propostas apresentadas no documento. Apesar das acusações de plágio, a coordenadora nega que a candidatura tenha copiado outras propostas e considera as críticas inconsistentes. "O programa traz conquistas da sociedade. Não vamos mudar nenhuma linha disso", declarou ao Broadcast Político. Nesta quinta, a coordenação da campanha havia dito que o programa seria revisado para corrigir eventuais problemas.


Aliada de Marina desde a campanha presidencial de 2010 pelo PV, Neca afirmou que o objetivo do programa de governo do PSB é manter e incorporar conquistas da sociedade e que não há motivo para revisar o documento lançado há uma semana. "Nós assumimos todas as propostas", enfatizou.

A coordenadora avalia que os adversários fazem "crítica pela crítica" porque não apresentaram um programa de governo e ironiza os petistas, que estão promovendo um pente-fino no programa de Marina. "Pela primeira vez todo mundo está lendo um programa em detalhe", considerou. "Estamos fazendo as outras candidaturas se mexerem", concordou Bazileu Margarido, um dos responsáveis pelo comitê financeiro da candidatura.

O discurso geral na campanha do PSB é que o programa de governo reconhece os avanços de políticas públicas dos governos de Fernando Henrique Cardoso - como o Programa Nacional de Direitos Humanos - e de Luiz Inácio Lula da Silva - que pregou a ampliação do Sistema de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Copia e cola. Nesta sexta-feira, 5, um site do PT acusou o programa de copiar propostas de Lula na época de sua reeleição. O texto, publicado na página Muda Mais, criada pelo partido para defender um novo mandato da presidente Dilma Rousseff, chama Marina de "candidata ctrl C + ctrl V", expressão usada na informática para designar que algo foi copiado e colado (clique aqui para ler).

Na quinta, 4, o mesmo site já havia divulgado que o programa da candidata do PSB para a área de energia de ser um "plágio" de um artigo publicado pela Revista USP (Universidade de São Paulo) em 2011 (clique aqui para ler). Em artigo publicado na quarta-feira, 3, com o título "Padrão Copia e Cola", o PSDB afirma que o documento "está recheado de contradições, convicções que mais parecem de cristãos novos e até plágios" (clique aqui para ler). Ao final, os tucanos criticam Marina. "O Brasil não é para amadores, nem para quem copia e cola para tentar passar no teste das urnas."

Demandas sociais. Os aliados de Marina rechaçam a afirmação de que a candidata fez "ctrl C + ctrl V", dizem que o documento absorveu demandas sociais e reafirmam que as menções não são "cópias de teses acadêmicas". "São documentos públicos, políticas públicas que sempre fizemos questão de reafirmar", afirmou Bazileu. O uso no programa de governo de trecho do discurso de Marina feito há quatro anos em Nova York é classificado como natural pelo apoiador. "É óbvio (que podemos usar o discurso). Mostra que ela mantém as mesmas posições que tinha antes", concluiu.

Os partidos da coligação negam preocupação com a possibilidade de Marina "desidratar" nas pesquisas de intenção de voto em virtude dos ataques adversários acusando-a de plagiadora. "Vocês vão achar coisinhas ali e aqui, mas são conquistas da sociedade. Eles (adversários) não têm nenhuma propriedade sobre isso (demandas sociais)", reforçou Neca.

Os aliados avaliam que as chances reais de vencer a sucessão a torna alvo preferencial de petistas e tucanos. "É coisa de quem está completamente desesperado", disse a coordenadora. O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), criticou a estratégia dos tucanos. "Isso é um erro. Nós temos um adversário comum e o PSDB está fazendo o jogo do PT de desconstruir Marina", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.