Fernando Bizerra Jr./EFE
Fernando Bizerra Jr./EFE

Programa de Haddad inclui ideias aplicadas em São Paulo

Petista replica propostas polêmicas de sua gestão, como a expansão de ciclovias, a redução da velocidade e o combate às drogas sem repressão

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2018 | 05h00

O presidenciável Fernando Haddad (PT) levou algumas das políticas mais polêmicas desenvolvidas por ele quando prefeito da capital paulista para seu plano de governo nacional. Estão lá propostas como redução da velocidade nos centros urbanos, expansão de ciclovias, combate ao uso de drogas com programas de redução de danos – e não de repressão – e expansão do programa Transcidadania, que dá bolsa de estudos a travestis e transexuais em situação de vulnerabilidade. O petista não se reelegeu prefeito em 2016 – perdeu para o tucano João Doria em primeiro turno, alcançando 16,7% dos votos.

Reverter a redução das velocidades nas Marginais do Pinheiros e do Tietê foi uma das principais bandeiras de campanha de Doria, que cumpriu a promessa logo no primeiro mês de gestão, apesar de os números mostrarem que a ação implementada pelo petista fez o número de mortos em acidentes ter caído 41% no primeiro ano da medida. Após a revisão, o mesmo índice subiu 36%.

Parte da população reprovou também a decisão de Haddad de priorizar o transporte não motorizado. O petista implementou 317 km de ciclovias – o modelo de implementação dessas rotas exclusivas e das faixas para ônibus foi questionado. 

O programa do governo do petista cita que, num eventual governo seu, será “promovido o transporte não motorizado, com a expansão de ciclovias e calçadas”, e “desenvolvidas políticas para redução drástica dos acidentes e mortes no trânsito, com ações permanentes nas escolas, melhorias na formação de condutores e redução de velocidade nos centros urbanos”.

Nessa área, o petista não cita faixas exclusivas, mas corredores de ônibus – sistema de maior qualidade –, e ainda defende o incentivo de sistemas de carona solidária e de compartilhamento de veículos, como o Uber. Em sua gestão à frente da capital, esse e outros aplicativos foram regulamentados, na contramão do que ocorreu no Rio, por exemplo.

Na área da segurança e do combate às drogas Haddad lista de forma discreta sua posição favorável a políticas de redução de danos.

“É preciso incentivar a abordagem científica e atualizada à luz dos protocolos reconhecidos internacionalmente como mais avançados e eficazes, fortalecer a rede de atenção psicossocial, permitir políticas de redução de danos e atuar com sensibilidade para abordar de diferentes e flexíveis formas a prevenção em relação a grupos sociais distintos”, diz o plano.

Em 2014, Haddad lançou o De Braços Abertos, programa que incentivava o dependente a diminuir o uso da droga, sem internação e com oferta de emprego, moradia e renda. Criticado pela oposição – que o chamava “bolsa crack” –, o projeto levou usuários a reduzir o consumo em 88%, segundo a Prefeitura. Doria acabou com o plano.

Outra ação incluída no programa de governo de Haddad é o Transcidadania, programa criado na capital para promover a reintegração social e incentivar a colocação profissional para travestis e transexuais na cidade. Neste caso, porém, a medida que dá auxílio mensal de R$ 840 aos participantes foi mantida por Doria e o atual prefeito, Bruno Covas.

Para o cientista político Carlos Melo, do Insper, as políticas citadas se tornam controvertidas porque tratam de mudanças culturais. “Quando se mexe com o comportamento das pessoas, a tendência é que haja resistência. Isso é cultural”, diz. /COLABOROU FABIO LEITE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.