Programa cresce para abrigar mais 320 mil famílias neste ano

Bolsa Família maior é parte do pacote que Tereza Campello anunciou, para ampliar o Brasil sem Miséria

ANDREA JUBÉ VIANNA, RAFAEL MORAES MOURA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2012 | 03h03

De olho na baixa renda e para turbinar o Plano Brasil sem Miséria, a presidente Dilma Rousseff chancelou ontem a inclusão de mais 320 mil famílias no Programa Bolsa Família. O pacote foi anunciado ontem pela ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.

A ministra divulgou o número após a primeira reunião do ano convocada pela presidente Dilma Rousseff com ministros da área social. Além de Tereza, participaram o vice-presidente Michel Temer e titulares de pastas do chamado "núcleo duro" do governo, como Miriam Belchior, do Planejamento, e o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, representando o Ministério da Fazenda. Trata-se de um encontro preparatório para a primeira reunião ministerial do ano, agendada para a próxima semana.

Tereza Campello frisou que não foi uma reunião de balanço, mas, sim, de definição de linhas de ação e expectativas para este ano. Segundo a ministra, a presidente Dilma mostrou-se satisfeita com os resultados do plano no ano passado, mas frisou: "Precisamos e queremos fazer mais".

No ano passado, foram cadastradas mais 407 mil famílias. Atualmente, o Bolsa Família atende 13,3 milhões de famílias, que recebem um benefício médio de R$ 120.

O objetivo do Brasil sem Miséria é retirar 16 milhões de famílias em condições de extrema pobreza, com renda inferior a R$ 70 por pessoa. Segundo a ministra, o governo trabalha em parceria com Estados para implantar a marca de "federalismo social". Nesse sentido, atua em parceria com oito Estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso, Amapá e Rondônia) e o Distrito Federal, que garantem uma complementação da renda do Bolsa Família.

Ainda segundo Tereza, a presidente pediu na reunião que as ações do Brasil sem Miséria continuem priorizando as crianças. De acordo com a ministra, foram incluídas 1,3 milhão de crianças no Bolsa Família no ano passado. Outra frente é atender as gestantes e nutrizes - a meta para 2012 é incluir 130 mil no Bolsa Gestante.

Outro compromisso para este ano é ampliar em 300 mil o número de vagas no Programa Nacional de Ensino Técnico (Pronatec), a fim de garantir a qualificação profissional dos beneficiários do Bolsa Família.

Por fim, Dilma pediu maior integração dos ministérios que estão à frente do Brasil sem Miséria - Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Agrário - com as pastas da Saúde e da Educação. O ministro da Educação, Fernando Haddad, e seu sucessor, Aloizio Mercadante, participaram da reunião, ao lado do ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.