Reprodução
Reprodução

'Professora Dilma' é eleita no interior de SP

Candidata pelo PMDB, Dilma Cunha da Silva foi eleita prefeita em Cássia dos Coqueiros, a 80 quilômetros de Ribeirão Preto, com 1.520 votos

O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2016 | 09h54

Se a popularidade de Dilma Rousseff anda em baixa após ter sido afastada da presidência pelo processo de impeachment, uma xará no interior de São Paulo teve um pouco mais de sorte. Com 1.520 votos, Dilma Cunha da Silva, chamada de "Professora Dilma", foi eleita prefeita neste domingo, 2, na pequena cidade de Cássia dos Coqueiros, interior de São Paulo.

Dilma, que concorreu pelo PMBD, derrotou a candidata do PTB Rosa Lourenço, que obteve 808 votos. A nova prefeita, de 64 anos, é professora do ensino médio e obteve 65,29% dos votos válidos.  

O caso de Cássia dos Coqueiros, cidade com cerca de 3 mil eleitores a 80 quilômetros de Ribeirão Preto, ilustra um cenário que se repetiu em outros 55 municípios pelo País: apenas mulheres disputando a prefeitura.  No Estado de São Paulo, mais seis cidades estavam na mesma situação: Alto Alegre, São João de Iracema, Barão de Antonina, Magda, Nova Granada e Ocauçu. 

'Prima'. Já uma candidata de Porto Alegre que não é Dilma, mas é Rousseff, não teve o mesmo êxito. Admiradora da ex-presidente, a estudante Carolina Duarte, de 20 anos, decidiu adotar o sobrenome búlgaro para concorrer mesmo sem ter nenhum parentesco com a petista. Candidata a vereadora pelo mesmo partido, ao qual se filiou em 2015, Carolina Rousseff obteve apenas 423 e não foi eleita.

A decisão de usar o sobrenome de Dilma na urna, segundo a jovem, foi algo natural. "É assim que as pessoas me conhecem desde antes de eu entrar para o PT. Todos me chamam de Carol Rousseff", disse ela à Agência Estado. Questionada sobre o processo de impeachment contra Dilma, Carolina é enfática: "Cada vez a admiro mais pela coragem. Tenho certeza de que ela é uma mulher honesta e inocente."

Mais conteúdo sobre:
Eleições 2016Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.