Reprodução Facebook
Reprodução Facebook

Principal aliado de Alckmin no NE, Armando Monteiro usa símbolo associado ao PT

Ex-ministro de Dilma, petebista diz que desenho de estrela não confunde eleitorado e inspiração veio da bandeira do Estado

Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2018 | 14h17

RECIFE – Símbolo tradicionalmente associado ao Partido dos Trabalhadores (PT), uma estrela tem sido usada na campanha do candidato ao governo de Pernambuco Armando Monteiro (PTB) nas eleições 2018. Apesar de lulista declarado, porém, o postulante petebista ao Palácio do Campo das Princesas é o principal aliado de Geraldo Alckmin (PSDB) no Nordeste e garante palanque ao candidato tucano à Presidência em seu Estado.

De cor laranja e com o número 14 gravado, a estrela de Armando Monteiro está presente em todas as peças de propaganda eleitoral do candidato petebista.

Monteiro se viu pressionado a apoiar Alckmin para evitar uma debandada dos tucanos do seu grupo político, que tem o presidente do PSDB pernambucano, Bruno Araújo, como candidato ao Senado na chapa deste ano. O petebista declarou apoio ao PSDB no dia 27 de julho, uma semana depois de ter visitado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Lava Jato, na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, e reafirmar seu apoio ao petista.

O episódio causou mal-estar dentro da aliança de Monteiro e uma ameaça do desembarque do PSDB da coligação, o que foi resolvido com a manifestação formal de apoio aos tucanos.

Em 2014, quando o petebista se candidatou a governador pela primeira vez, a estrela escolhida por sua equipe era amarela e aparecia pequena, apenas como um detalhe dentro da logo azul utilizada na campanha daquele ano.

Em e-mail ao Estado, Monteiro - que foi ministro de Desenvolvimento, Indústria, Comércio Exterior e Serviços do governo Dilma Rousseff (PT) - negou que tenha se inspirado no PT para a escolha da estrela que, na verdade, o símbolo remete à bandeira de Pernambuco, que tem uma estrela amarela. O candidato afirmou ainda que a estrela de sua campanha não remete ao PT na cabeça dos eleitores, porque o símbolo petista é vermelho, não laranja.

O cientista político e professor do Centro Universitário Guararapes Isaac Luna lembrou que, em campanha eleitoral, nenhuma escolha é por acaso.Para o analista, o uso da estrela pela campanha de Monteiro faz parte de uma tática para manter sua imagem “de alguma forma vinculada a Lula", que lidera com folga a preferência dos eleitores pernambucanos, sobretudo no interior, e se afastar do rótulo de "chapa do Temer" cunhado pelos adversários.

“Com certeza essa estratégia está muito bem traçada pela equipe de marketing eleitoral que toma as decisões a partir de pesquisas internas. Faz parte candidatos copiarem símbolos, frases de efeito e outras coisas que remetam a políticos aliados ou bem avaliados para capturar esses votos”, afirmou Luna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.