Adriano Machado/Reuters/Rafael Arbex/Estadão
Adriano Machado/Reuters/Rafael Arbex/Estadão

Análise: Pressão do PCdoB fez PT mudar estratégia e lançar chapa 'triplex'

Pelo roteiro traçado pelo ex-presidente na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, Manuela ficaria na reserva até a efetiva rejeição da inscrição de sua candidatura

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2018 | 21h29

Pressionado pelo prazo do Tribunal Superior Eleitoral para a escolha dos candidatos a vice e pelo PCdoB, o PT foi obrigado a mudar sua estratégia original e tornar público que Manuela D’Ávila é a verdadeira escolhida para ser a companheira de chapa de Fernando Haddad nas eleições 2018.

A solução encontrada para resolver o impasse foi lançar a chapa "triplex", com Luiz Inácio Lula da Silva – condenado e preso na Operação Lava Jato – na cabeça, Haddad vice e Manuela como "vice do vice".

Pelo roteiro traçado pelo ex-presidente na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, Manuela ficaria na reserva até a efetiva rejeição da inscrição de sua candidatura. Os petistas sabem que isso é inevitável, mas até lá Haddad seria o vice e não se falaria em plano B.

O problema é que o PCdoB, aliado do PT em todas as eleições presidenciais desde 1989, não aceitou o plano. O partido já havia deliberado na semana passada que só abriria mão da candidatura de Manuela se o nome dela fosse anunciado no domingo, 5, como vice na chapa de Lula.

O impasse durou até domingo. Na data limite do prazo legal, o PCdoB divulgou que escolhera um vice para Manuela, o sindicalista Adílson Araújo, presidente da CTB, e fez circular que havia voltado a conversar com o PDT de Ciro Gomes.

Em resposta, o PT passou a pressionar o PCdoB em Estados onde líderes da legenda comunista são apoiados pelo partido de Lula. São os casos, entre outros, da deputada Jô Moraes, candidata a vice de Fernando Pimentel em Minas Gerais e de Flávio Dino, candidato a reeleição ao governo do Maranhão nas eleições 2018

A decisão final ficou para uma reunião que foi tensa e entrou pela madrugada. O deputado Orlando Silva, presidente do PCdoB-SP, deixou o encontro antes do fim. Lideranças da sigla disseram que o partido estava sendo vítima de "chantagem", mas acabaram cedendo diante da proposta inusitada da chapa “triplex”. 

Já na manhã de segunda-feira, 6, petistas e comunistas publicaram dezenas de memes e postagens nas redes sociais com as fotos de Lula, Haddad e Manuela, seguidas da inscrição: “Nasceu a chapa triplex". Trata-se de uma alusão irônica ao caso do apartamento no Guarujá que levou a prisão do ex-presidente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.