PRESIDENTE VOLTA AO RIO, EM PAZ COM CABRAL

Após 3 meses longe do Estado, Dilma brincou com governador e prefeito e homenageou Lula

LUCIANA NUNES LEAL /RIO , O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2011 | 03h03

Depois de quase três meses sem visitar o Rio, período que coincidiu com o acirramento da discussão em torno dos royalties do petróleo, a presidente Dilma Rousseff voltou ontem à cidade em clima amistoso. Ao lado do governador Sérgio Cabral, do vice Luiz Fernando Pezão e do prefeito Eduardo Paes, todos do PMDB, ela participou de dois compromissos oficiais, brincou com os aliados e homenageou o antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

Na inauguração de novas unidades do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad, construído durante o governo Lula, a presidente brincou com o fato de Cabral e Paes terem elogiado o ex-presidente em seus discursos. Cabral chegou a copiar o bordão de Lula: "Nunca antes na história do Hemisfério Sul..." Valeu um comentário de Dilma: "Na disputa entre o Sérgio Cabral e o Eduardo Paes, o Sérgio está ligeiramente à frente".

Dilma disse ter certeza de que Lula estava acompanhando a transmissão ao vivo da solenidade. "Sem dúvida ele está nos escutando, porque comenta todos os atos de que nós participamos", contou. Chamada de "querida presidenta, nossa amiga" por Cabral, Dilma retribuiu: "queria cumprimentar Sérgio Cabral, nosso querido parceiro, governador e amigo pelo fato de ter reconhecido a importância do nosso presidente Lula." O governador ainda puxou palmas e torcida pela recuperação de Lula, que está em tratamento contra câncer de laringe.

A proximidade entre Dilma e Cabral esfriou quando, em outubro, o Senado aprovou novas regras para a distribuição dos royalties que prejudica os Estados produtores, como Rio e Espírito Santo. Cabral pediu "coerência" a Dilma para vetar essa parte da lei, se for mantida pela Câmara. O impasse sobre os royaties continua no Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.