Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Presidente terá reunião com antecessor em SP

A presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontram na próxima sexta-feira, em São Paulo, depois das comemorações do aniversário da cidade. No mesmo dia, Dilma também tem encontro marcado com o prefeito da capital, Fernando Haddad (PT), e com o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB).

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2013 | 02h04

A reunião entre Dilma e Lula acontece após a "volta" do ex-presidente ao centro do debate sobre a sucessão presidencial. Auxiliares próximos de Dilma afirmam o mesmo que Paulo Vanucchi, ex-mininistro de Lula que hoje trabalha no instituto do ex-presidente: a ação política de Lula têm por objetivo manter a aliança com o PMDB e o PSB, e assegurar a continuidade do arco de sustentação, num momento em que a economia não tem mais a mesma folga de antes.

Lula estaria tentando garantir a "segurança política". Isso significa, na avaliação do Planalto, manter o PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, no arco de aliança petista.

O entendimento é que não se pode deixar Campos se desgarrar neste momento e que o governo não pode deixar crescer uma liderança de oposição, ainda mais um político que tem base no Nordeste, região que ajuda a segurar a votação e a popularidade da presidente.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, avalia que Lula é o articulador da base aliada para a eleição presidencial e para as disputas estaduais. "O presidente Lula tem que ser sempre considerado. Quando ele dizia que o Haddad era uma opção em São Paulo, a imensa maioria dos atores políticos afirmava que isso era um absurdo", afirma.

Prefeitura. Para o encontro de Dilma com Haddad - que também faz aniversário na sexta-feira -, o governo federal preparou uma agenda positiva com a entrega de unidades habitacionais e ambulâncias, além de anúncios de parcerias nas áreas de Educação e Saúde. A expectativa é que Dilma anuncie oficialmente a construção de um câmpus da Universidade Federal de São Paulo e de um Instituto Federal de Ensino.

Dilma também reforçará a intenção de repassar R$ 200 milhões à capital para a construção de 172 creches. A verba está liberada e depende apenas da indicação das áreas pela Secretaria Municipal da Educação. Encontrar os terrenos para iniciar as obras é uma das prioridades da gestão Haddad, que contará com a ajuda do governo estadual.

Na área da Saúde, há ainda a expectativa de que a presidente anuncie uma parceria para a implementação da Rede Hora Certa, promessa de Haddad para reduzir as filas de exame e de pequenas cirurgias na rede municipal. / TÂNIA MONTEIRO, LEONENCIO NOSSA, ADRIANA FERRAZ e DIEGO ZANCHETTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.