Presidente faz escala sigilosa em Portugal

Em Lisboa, comitiva se hospeda em hotéis de luxo

LISBOA, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2014 | 02h06

A presidente Dilma Rousseff e sua comitiva passaram o fim de semana em Portugal, ocupando um total de 45 quartos de dois dos hotéis mais caros de Lisboa, segundo as gerências das redes hoteleiras. A viagem estava sendo mantida em sigilo e apenas foi explicada depois que a reportagem do Estado a revelou ontem com exclusividade. A suíte que Dilma utilizou no hotel Ritz está tabelada em 8 mil euros por dia (cerca de R$ 26 mil).

A presidente esteve na Suíça desde quinta-feira, onde foi uma das palestrantes no Fórum Econômico Mundial, em Davos. Seu próximo compromisso é a inauguração de um porto financiado pelo Brasil em Cuba, amanhã.

Entre Davos e Cuba, Dilma e sua delegação decidiram passar o sábado em Lisboa, sem informar ao público onde a presidente estaria. A viagem não estava na agenda oficial divulgada inicialmente. A previsão agora é que a comitiva deixe Lisboa às 10h de hoje.

No total, cerca de R$ 70 mil foram gastos em apenas uma noite com hospedagem, segundo estimativa feita a partir dos valores de tabela dos quartos reservados. A delegação de apoio ocupou quartos no hotel Tivoli.

A assessoria do Palácio do Planalto informou que se tratava de uma "parada técnica" e que seria necessário "parar em algum lugar para abastecer" por conta da falta de autonomia do avião presidencial.

Os ministros Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e Luiz Alberto Figueiredo (Relações Exteriores), além de Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência, participaram da comitiva. Segundo o Planalto, os ministros jantaram em um "tradicional restaurante" da cidade, mas a presidente teria ficado no hotel, sem fazer turismo.

De acordo com a assessoria, a escala ocorreu porque a hospedagem em Zurique ficaria mais cara do que em Lisboa. A embaixada brasileira não foi utilizada por não comportar toda a comitiva. / JAMIL CHADE e FERNANDO NAKAGAWA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.