Presidente é centro de ataques em debate tenso

Dilma tenta constranger Marina, mas torna-se alvo preferencial no decorrer do encontro deste domingo da TV Record

IURI PITTA, ISADORA PERON, PEDRO VENCESLAU, RICARDO GALHARDO e VERA ROSA, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2014 | 00h50

Em uma palavra, a definição do penúltimo debate presidencial desta campanha, realizado na noite deste domingo na TV Record, é nervosismo.

Tanto os principais candidatos ao Palácio do Planalto como os de siglas menores travaram embates duros entre si, marcados pelos pedidos de direito de resposta, e demonstraram certa tensão na falta de controle do próprio tempo – raros foram os momentos em que as respostas foram concluídas sem interrupção dos mediadores do programa.

Líder nas pesquisas e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT) foi o alvo preferencial de Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB), que também procurou atingir a segunda colocada nos levantamentos. Enquanto os adversários tentavam ligar a petista aos escândalos na Petrobrás, a própria candidata à reeleição recorreu ao tema a fim de colar o rótulo de “privatista” ao tucano.

Até os nanicos Eduardo Jorge (PV) e Luciana Genro (PSOL) travaram embate particular que imediatamente repercutiu nas redes sociais, assim como respostas inusitadas de Pastor Everaldo (PSC) e Levy Fidelix (PRTB) (mais informações ao lado).

O cenário da disputa, a seis dias do 1.º turno, ajuda a explicar o nervosismo, assim como as regras do debate, com duas rodadas de perguntas entre candidatos logo no primeiro bloco, como havia ocorrido dois dias antes, com os candidatos a governador de São Paulo, e outra rodada depois das perguntas feitas pelos jornalistas. A organização foi acionada quatro vezes por Dilma e uma por Marina para conceder direitos de resposta: a petista obteve uma única permissão para rebater o Pastor Everaldo. O tucano não fez pedidos desse tipo.

CPMF. O primeiro embate entre os protagonistas da disputa envolveu as duas candidatas mais bem colocadas. Dilma, após responder a pergunta de Luciana Genro (PSOL) sobre aposentadorias, pôde escolher para quem perguntar e questionou Marina sobre mudanças de partido e de posição da candidata do PSB.

“No debate da Band, a senhora disse que votou a favor da CPMF. Qual foi seu voto?”, perguntou a petista, auxiliada por material impresso, referindo-se ao mandato da adversária no Senado.

Marina afirmou que mudou de partido “para não mudar de ideais nem de princípios” e reiterou que ela e Eduardo Suplicy (PT-SP) votaram a favor, no governo Fernando Henrique Cardoso, mesmo contra a orientação da bancada petista. Na réplica, Dilma afirmou que a candidata do PSB votou quatro vezes contra a criação da CPMF, citando os “anais do Senado”. A expressão é a mesma usada por inserção do PT, exibida no segundo intervalo do debate, mas a propaganda mostra dois votos de Marina contrários ao tributo. “Atitudes assim produzem insegurança. Não dá para improvisar”, disse Dilma.

A candidata do PSB foi a próxima a perguntar e escolheu Aécio para falar sobre matriz energética. Marina criticou tanto o “improviso” do apagão, no governo Fernando Henrique Cardoso, quanto o gasto “de bilhões e bilhões” da gestão Dilma em termelétricas. A resposta do tucano motivou o primeiro pedido de resposta de Dilma, negado pela produção. Na tréplica, Aécio disse “concordar” com Marina em relação à necessidade de variar a matriz energética, mas disse que era preciso “fazer justiça” a FHC. “O grande desafio era domar a inflação. Lutamos por isso contra o PT, no tempo em que a senhora participava do PT.”

Petrobrás. Na sequência, Aécio usou a pergunta para o candidato do PSC para levantar o tema da corrupção. “Infelizmente, nossas empresas públicas foram tomadas por um grupo político que as utiliza para se manter no poder. A cada debate há uma nova denúncia sobre a Petrobrás”, atacou o tucano, para novo pedido de resposta de Dilma, também negado pela organização.

Os “malfeitos” no governo e as ações de combate à corrupção viriam a opor Dilma e Aécio ainda nesse bloco. A surpresa é que a própria petista citou a Petrobrás, para questionar o tucano: “O senhor assumiria o compromisso de não colocar a privatização da Petrobrás no radar?”

Aécio respondeu: “Eu sou claro. Não vamos privatizá-la, mas reestatizá-la, tirá-la das mãos desse grupo político”, repetiu. Ao fim da resposta, o tucano se atrapalhou ao citar dados da inflação dos governos FHC, Lula e Dilma, ao afirmar que ela seria a única a deixar o governo com índices maiores que o mandato anterior.

Dilma rebateu o adversário ao afirmar que combate a corrupção “para fortalecer a Petrobrás”. “Tem gente que usa para enfraquecer a Petrobrás. Os senhores (do PSDB) foram favoráveis à privatização, venderam parte das ações a preço de banana.”

Por outras duas vezes, a presidente alegou que foi ela quem demitiu o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, preso pela Polícia Federal e envolvido em um esquema de desvios na estatal que teria financiado partidos e políticos. A primeira citação foi no único direito de resposta obtido por Dilma.

Daqui a quatro dias, os candidatos ao Planalto participarão do último debate do 1.º turno, na TV Globo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.