José Cruz/Agência Brasil - 19/3/2017
José Cruz/Agência Brasil - 19/3/2017

Presidente do Republicanos diz que Bolsonaro 'só atrapalhou' aumento do partido

Legenda integra o Centrão e faz parte da base aliada de Bolsonaro no Congresso, mas, insatisfeita com a falta de espaço no governo, avalia se manter neutra nas eleições de outubro

Iander Porcella e Izael Pereira, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2022 | 23h00

BRASÍLIA - O presidente do Republicanos, deputado Marcos Pereira, criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta quarta-feira, 23. Pereira disse que Bolsonaro até agora, “só atrapalhou” o aumento do partido, que é ligado à Igreja Universa do Reino de Deus. Integrante do Centrão e da base aliada de Bolsonaro no Congresso, o Republicanos tem demonstrado insatisfação com a falta de espaço no governo e avalia se manter neutro nas eleições de outubro.

“Está caminhando bem a vinda de novos parlamentares, acho que vai ser bom. A gente vai sair um pouco maior do que é, sem a ajuda do presidente, pelo menos por enquanto, porque até agora ele só atrapalhou”, disse Pereira a jornalistas, ao ser questionado sobre as negociações para filiação de novos parlamentares ao partido. O vereador Carlos Bolsonaro (RJ), filho "02" do presidente, é filiado ao Republicanos.

No último dia 10, o partido decidiu não integrar federações neste ano. Ao Estadão/Broadcast Político, Pereira afirmou, na ocasião, que a bancada só decidirá qual posição adotará na eleição em abril, após a janela partidária, quando deputados podem trocar de legenda sem perder o mandato.

"O partido tem deputados que querem neutralidade, deputados que querem apoiar Lula, outros que querem Bolsonaro. Isso só vai ser discutido em abril", disse o deputado.

Aliado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do PT, no passado, o Republicanos deu uma guinada à direita, nos últimos anos, para apoiar Bolsonaro, mas ainda tem no DNA o caráter governista. "[O apoio nacional] será discutido em nossa reunião de bancada que ocorrerá em abril. O fato é que fazemos parte da base de governabilidade do Brasil", afirmou o deputado Vinicius Carvalho (Republicanos-SP).

O Republicanos tem se afastado de Bolsonaro por se sentir desprestigiado nas negociações políticas. Em novembro, o presidente se filiou ao PL, legenda comandada por Valdemar Costa Neto. Já a vaga de vice na chapa do presidente deve ficar com o Progressistas, que comanda a Casa Civil, com o ministro Ciro Nogueira.

O PL também foi contemplado com a Secretaria de Governo, responsável pela articulação política do Palácio do Planalto com o Congresso. A pasta é liderada pela ministra Flávia Arruda. O Republicanos, por sua vez, é representado na Esplanada dos Ministérios por João Roma, titular da Cidadania.

“Todos os partidos merecem carinho e eu tenho certeza de que o presidente Marcos Pereira é uma das pessoas mais importantes para a reeleição do presidente Bolsonaro. Eu não tenho dúvida”, respondeu Ciro Nogueira nesta quarta-feira, 23, ao ser questionado sobre a insatisfação do presidente do Republicanos com o governo.

Em São Paulo, maior colégio eleitoral do País, Bolsonaro vai apoiar a candidatura do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, ao Palácio dos Bandeirantes. O deputado Capitão Augusto (SP), vice-presidente do PL, disse que a entrada de Tarcísio no partido está 99,9% fechada.

Já o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) deve se filiar ao Republicanos para concorrer a uma vaga no Senado pelo Rio Grande do Sul. Mourão disse que sua entrada no partido está “praticamente” decidida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.