Presidente do PT trata candidatura de Lindbergh como 'irrevogável'

Ao rejeitar o pedido do governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), e do vice-governador Luiz Fernando Pezão, provável candidato do PMDB à sucessão estadual, para que os petistas desistam da candidatura própria no Estado, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, alegou que a postulação do senador Lindbergh Farias é "irrevogável".

WILSON TOSTA / RIO, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2013 | 02h18

Os peemedebistas alegaram no encontro de anteontem, no Palácio Guanabara, que a aliança entre os partidos é forte no Rio de Janeiro. Disseram também que o rompimento seria ruim para a presidente Dilma Rousseff, que irá disputar a reeleição. Falcão, contudo, não aceitou os argumentos e respondeu à proposta com a expressão forte: "A candidatura de Lindbergh é irrevogável", afirmou Falcão, observando que o PT fluminense está unificado em torno da postulação do senador.

No tenso almoço que reuniu os três no gabinete de Cabral, Falcão também rejeitou outro pedido do PMDB, para que o PT empurre até o meio do ano que vem a decisão de deixar o governo. O presidente nacional petista retrucou que a decisão de deixar o governo já está tomada.

O partido marcou para 25 de novembro a reunião do diretório regional em que oficializará o desembarque dos petistas da administração estadual, onde ocupa duas secretarias (Direitos Humanos e Ambiente) e cerca de 150 cargos.

O fracasso de Cabral em conseguir apoio do comando nacional petista para a retirada de Lindbergh e para o adiamento da saída do governo ficou claro nas entrevistas posteriores ao encontro.

Aparentando serenidade, Falcão disse que Cabral não fizera nenhum apelo em relação à candidatura Lindbergh. Já Pezão trocou a descontração habitual por uma expressão grave, com a qual reafirmou que o PMDB terá candidato a governador. Ele disse ainda que seu partido fará "todos os esforços possíveis" para manter a aliança com os petistas.

Elogios. Em outro aparente reflexo da tensão do almoço no Palácio Guanabara, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na noite anteontem, afagou Cabral durante discurso no lançamento do Mapa Estratégico do Comércio, em evento no hotel Copacabana Palace.

Lula se referiu várias vezes ao governador - nenhuma a Lindbergh, que também estava presente - e elogiou o governo do peemedebista, que tem sido alvo de manifestações de protesto. O ex-presidente afirmou que nunca foram feitas tantas obras no Estado do Rio como durante a atual administração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.