Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Presidente do PRP diz que Bolsonaro deu 'prazo para ontem' sobre vice

Ovasco Resende acrescentou que não recebeu nenhum convite oficial do presidenciável para o partido entrar na chapa nas eleições 2018

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

18 Julho 2018 | 20h11

RIO DE JANEIRO - O presidente nacional do PRP, Ovasco Resende, disse nesta quarta-feira, 18, que, mediante ao prazo que o PSL deu ao partido para decidir se aceitaria a chapa de vice do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018, a legenda revolveu declinar da aliança. Ao Estado, Resende disse que o PSL queria “para ontem” saber se o PRP aceitaria o general da reserva Augusto Heleno na chapa de Bolsonaro. Ele disse ainda que não recebeu nenhum convite oficial de Bolsonaro para o partido entrar na chapa.

“O general Heleno e a nossa pré-candidata a (deputada) federal, Bia Kicis, levaram para mim o convite para o general ser o vice. Hoje (ontem) eles (representantes do PSL) ligaram para nós, mas vamos aguardar a decisão da Executiva Nacional que direção iremos tomar”, disse.

Resende disse também que, depois da recusa do partido a liberá-lo para ser vice de Bolsonaro, Heleno informou ao partido ficaria na coordenação da campanha do deputado e sairia do PRP. “Nós queríamos que ele (general) ficasse no PRP para ser candidato ao Senado ou a deputado federal”, ponderou.

Em nota, o partido informou que tem conversado com todos os pré-candidatos que tenham interesse em ter o partido na sua chapa majoritária. “Geraldo Alckmin e Alvaro Dias foram os primeiros a convidar o PRP; assim como já houve um aceno de Marina Silva, da Rede, com quem o PRP esteve em 2014."

Uma das propostas mais fortes na Executiva é a possibilidade de liberar as executivas estaduais para apoiarem os candidatos a presidente de sua preferência, desde que a decisão não atrapalhe a meta preconizada na cláusula de desempenho, informou.

Já a presidente estadual do PRP no Rio, Eliane Cunha, disse que a filosofia do presidenciável Jair Bolsonaro não combina com a sigla e, por isso, a candidatura do general da reserva Augusto Heleno para a vaga de vice na chapa foi descartada.  Eliane disse  ao Estado que o partido se sentiu honrado com o convite, mas que a aliança contraria alguns interesses do partido.

“Nós nos sentimos honrados, ele é um deputado de mandato, mas contraria um pouco alguns interesses nossos regionais. Ainda não tomamos a decisão de quem será o nosso candidato a presidente. Ainda estamos verificando o que mais se adequa à nossa filosofia partidária, ao nosso discurso, mas Bolsonaro não combina, não dá”, disse Eliane.

Questionada sobre o que incomodaria o partido em relação à Bolsonaro, Eliane respondeu que o deputado “vende outra ideologia”. “Às vezes não dá para nos alinharmos 100%. Agradecemos muito, mas lamentavelmente não é do nosso interesse essa chapa. Desejamos a maior sorte para ele e para o Brasil e que vença o melhor”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.