Presidente do Paraguai promete medidas para apaziguar conflito

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, afirmou ontem que todas as medidas de seu governo em relação ao conflito entre os carperos (sem-terra paraguaios) e produtores rurais brasileiros, os "brasiguaios", na região do Alto Paraná, fronteira com o Brasil, serão regidas pela lei. Lugo afirmou que usará todos os recursos para manter a ordem pública e a segurança na região e ressaltou ter ordenado aos setores do governo envolvidos no assunto que acelerem as medidas para apaziguar o conflito e solucionar o problema da disputa de terras.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, JOSÉ MARIA TOMAZELA, SOROCABA, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2012 | 03h02

Em uma extensa nota distribuída à imprensa, Lugo afirmou que "toda a ação governamental será orientada, sem exceção alguma, ao desenvolvimento e execução ajustada à lei em vigor". Ainda na nota, o presidente reclamou da "histórica distribuição desigual e ilegal da terra, em prejuízo da reforma agrária". "Não poucas vezes se concederam imóveis rurais a pessoas favorecidas pelo poder político e econômico, violando a lei e contrariando políticas de Estado orientadas ao bem-estar no campo e ao desenvolvimento econômico."

O presidente paraguaio afirmou ainda que a presença das Forças Armadas na região de conflito será mantida até a finalização dos trabalhos de inventário dos imóveis rurais, que havia sido determinado antes da invasão dos sem-terra.

No último sábado, os carperos decidiram, em assembleia, aguardar por uma semana uma solução do governo paraguaio, suspendendo invasões.

A declaração de Lugo, porém, não citou as fazendas dos brasileiros que estão invadidas, o que fez aumentar a tensão na região.

O agricultor Pedro Garbeto, que desde a década de 1980 é dono de terras em Santa Rosa del Monday, disse que, apesar de 80% da população da cidade, de 5 mil habitantes, serem brasileiros ou descendentes, há um clima de medo. "Temos soja no campo para colher, mas tivemos de retirar as máquinas e não estamos podendo trabalhar."

Diplomacia. O cônsul-geral do Brasil em Ciudad del Este, embaixador Flávio Roberto Bonzanini, informou que está acompanhando de perto a situação dos brasiguaios e, na semana passada, enviou um relatório ao Ministério das Relações Exteriores. Ele reconheceu que a situação é preocupante, pois as reintegrações de posse determinadas pela Justiça não estão sendo cumpridas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.