Presidente do Galo desiste de candidatura a deputado federal

'Não vou me rebaixar a ser político também', afirmou Alexandre Kalil ao anunciar decisão

Alex Capella, especial para O Estado

21 de agosto de 2014 | 16h54

BELO HORIZONTE - Apontado por lideranças políticas locais como candidato com potencial para ser um campeão de votos, o presidente do Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, anunciou nesta quinta-feira, 21, que não vai mais concorrer ao cargo de deputado federal pelo PSB. O mandatário do Galo justificou a decisão pelo "momento" vivido pelo time no Campeonato Brasileiro (8º colocado entre 20 times), mas afirmou que não vai "se rebaixar a ser político".

"Temos de cuidar do Atlético. Isso aqui não é Cruzeiro. A torcida do Atlético não aceita ninguém aproveitar nada do Atlético. Entendo isso porque também nunca aceitei. Então, estou livre desta m... de política. Não vou me rebaixar a ser político também", disse Kalil, sem perder a chance de provocar o arquirrival. O ex-presidente do Cruzeiro Zezé Perrella (PDT) tornou-se senador após a morte de Itamar Franco (PMDB), de quem era suplente, em 2011, e o atual mandatário do clube, Gilvan de Pinho Tavares, é candidato a deputado estadual.

Segundo Kalil, o Galo precisa da sua "presença", o que seria inviável durante este período de campanha eleitoral. Apesar de responsabilizar o mau momento do time por sua decisão, o dirigente sinalizou que a morte de Eduardo Campos, que era o candidato do PSB à Presidente e que comandava o partido, também teria tido influência no processo. "Fiquei muito abalado com a morte do Eduardo (Campos), que veio a Belo Horizonte me filiar e infelizmente aconteceu o que todos nós sabemos que aconteceu. Isso me abalou profundamente, fiquei muito triste com a morte dele", disse.

O mandatário do Galo também afirmou que os rumos do PSB após a morte de Campos e a indicação da ex-ministra Marina Silva para disputar a Presidência também tiveram influência na decisão. "Nada neste partido me interessa. O que me interessava caiu de avião. Nem piso no partido", disse ele.

Com a decisão, Kalil segue à frente do Atlético até o fim de seu mandato, no dia 31 de dezembro de 2014. Até lá, o clube disputará o restante do Brasileiro e a Copa do Brasil. "Não quero levar nada deste clube, quero levar o carinho da minha torcida, eu quero levar o amor. Não de 400 ou 500 mil atleticanos que iriam votar seguramente em mim, como os políticos experientes falaram", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
eleiçõesAlexandre Kalil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.