Presidente diz a PMDB que diálogo vai melhorar

Dilma promete a Renan, Alves e Temer que discutirá com líderes projetos relevantes

Erich Decat, Vera Rosa e Luciana Nunes Leal

04 Junho 2013 | 02h04

Em reunião com a cúpula do PMDB ontem, a presidente Dilma Rousseff se comprometeu a adotar um novo modelo de articulação política, no qual o governo discutirá com líderes da base projetos de lei relevantes antes de enviá-los ao Congresso.

 

Dilma disse que vai escalar o ministro de Minas e Energia, Édson Lobão, para explicar aos líderes o projeto que estabelece o Código da Mineração, a ser encaminhado ao Congresso nos próximos dias, em regime de urgência.

 

"Temos confiança de que essa rotina vai reduzir muito os conflitos na relação do governo com o Congresso", afirmou o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). O deputado, que na semana passada criticou a articulação política, disse que Dilma está "muito disposta" a melhorar o diálogo com o Legislativo. "Todos sabem que os culpados pelo tensionamento não são as ministras Gleisi e Ideli", completou Alves, numa referência à chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e à ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

 

No encontro, foram colocadas na mesa as insatisfações da base aliada afloradas desde a votação da MP dos Portos, no dia 16 do mês passado. Os peemedebistas dizem que se sentem desvalorizados no governo Dilma e cobram mais espaço na Esplanada. Na lista de demandas está mais autonomia dos ministérios que o partido já possui e cargos no segundo escalão - incluindo diretorias da Infraero, estatal subordinada à Secretaria de Aviação Civil, comandada pelo PMDB.

 

Além do presidente da Câmara, participaram da reunião com Dilma o vice-presidente da República, Michel Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Antes do encontro, Alves disse a integrantes da bancada peemedebista, segundo o apurou o Estado, que não deixaria de expor para a presidente "a verdade" sobre as dificuldades no Congresso.

 

Minuto de aplauso. Mais cedo, durante a visita de Dilma a Natal, no Rio Grande do Norte, Alves fez rasgados elogios à presidente. Em seu discurso, pediu à plateia um minuto de aplausos de pé para Dilma - e foi atendido. Ele também agradeceu ao"apoio, correção e lealdade" de Dilma durante sua campanha pela presidência da Câmara.

 

A solenidade de entrega de 171 retroescavadeiras e motoniveladoras para municípios que estão em situação de emergência por causa da seca, reuniu os 149 prefeitos das cidades contempladas.

 

"Estamos acelerando o processo para tornar o Rio Grande do Norte mais competitivo. Temos grandes investimentos em Pernambuco, no Ceará, na Bahia, mas temos também no Rio Grande do Norte", discursou a presidente, que, em determinado momento, chamou o Estado de Rio Grande do Sul, mas logo se desculpou. Pouco antes, Henrique Alves havia dito que "a Bahia nem parece mais Nordeste". O deputado citou ainda investimentos da União em outros Estados nordestinos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.