Presidente coloca Gleisi na vitrine para 2014

Com aval de Dilma, ministra ganha mais visibilidade no governo para tentar desbancar PSDB do poder no Paraná

TÂNIA MONTEIRO, RAFAEL MORAES MOURA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2013 | 02h07

Principal aposta do Planalto e do PT para desalojar o PSDB de um dos seus mais importantes núcleos de poder - o governo do Paraná -, a ministra Gleisi Hoffmann começa a ganhar mais visibilidade à frente da Casa Civil. "A Loura", como é chamada pela presidente Dilma Rousseff, viu, no fim do ano passado, sua futura candidatura ao governo paranaense ser turbinada, com maior exposição na mídia ao ser escalada para anunciar medidas para o enfrentamento aos efeitos da seca no semiárido.

Também coube a Gleisi detalhar os vetos ao projeto que redistribui os royalties do petróleo e, na véspera do Natal, o novo valor do salário mínimo. Além disso, Gleisi virou a estrela dos planos de infraestrutura do governo, conseguiu emplacar o último ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o paranaense Sérgio Luiz Kukina, e firmou seu nome na condução da pasta.

Viagens. A presidente Dilma está apoiando a estratégia, liberando a ministra para frequentes viagens estaduais. No mês passado, ela esteve lá em vários eventos e recebeu em seu gabinete, fora da agenda, prefeitos eleitos do sudoeste do Paraná. No dia 3 de dezembro, foi ao encontro de sindicalistas, empreendedores, produtores rurais, em Curitiba. E voltou à cidade na sexta-feira seguinte, para participar do encontro de Cooperativistas, quando foi homenageada. Cinco dias depois, em 12 de dezembro, foi inaugurar a usina hidrelétrica de Mauá.

Agora, Gleisi irá ao Paraná, ao lado da presidente Dilma. Será no dia 4 de fevereiro, quando a ministra desembarca em Cascavel, para anunciar investimentos federais no Estado.

O Paraná é um dos últimos focos de resistência ao petismo. A própria Dilma perdeu ali para José Serra (PSDB) no segundo turno das eleições de 2010 - o tucano obteve 55,44% dos votos válidos. "É cedo para falar de candidatura ao governo. Tenho um compromisso com a presidenta Dilma. Vamos deixar 2014 para 2014", desconversou Gleisi em entrevista à TV Record, em dezembro. Apesar do discurso oficial, a ministra tem se empenhado em costurar acordos políticos e agregar aliados .

Os aliados apostam em Gleisi. O secretário de Comunicação do PT, deputado federal André Vargas, lembra que ela "é o nome mais forte" para disputar o governo do Estado. "Esta é a primeira vez que temos chances reais de ganhar no Paraná", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.