Prefeito de BH defende 'convergência' entre petistas e tucanos

Pimentel diz ainda que pretende se reaproximar de Ananias, que se opôs à aliança entre os partidos na capital

Eduardo Kattah, da Agência Estado,

26 de outubro de 2008 | 15h25

O prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), disse neste domingo, 26, que após a eleição municipal vai continuar defendendo a tese de convergência entre petistas e tucanos e pretende se reaproximar do ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Social e Combate à Fome) - que se opôs ao acordo entre o prefeito e o governador Aécio Neves (PSDB) e ficou da campanha em Belo Horizonte, ajudando a rachar o PT mineiro. "O Patrus é meu amigo estimado e que mantém ainda excelentes relações comigo. Não tem nenhum problema. Divergências políticas são naturais ao longo da trajetória da gente. Isso acontece e não cria nenhuma ruptura", disse Pimentel, que votou pela manhã numa escola estadual no bairro Santo Antônio, região sul da capital mineira.  Veja também:Clima de cordialidade deixa debate ameno em Belo HorizonteGeografia do voto: Desempenho dos partidos nas cidades brasileiras Confira o resultado eleitoral nas capitais do País  "Vou continuar defendendo a mesma tese de uma convergência, de aproximação, de um diálogo entre essas duas forças políticas que hoje no cenário nacional são oponentes - o PT e o PSDB -, mas precisam conversar e criar uma agenda comum para o país progredir. A democracia é isso: é buscar convergências e não aprofundar divergências". Pimentel repetiu que a aliança com Aécio representa uma tese política, não necessariamente eleitoral - como ocorre agora em Belo Horizonte, onde os dois líderes apóiam Márcio Lacerda (PSB) -, observando que dificilmente haverá aproximação dos partidos rivais em 2010.  Ele discorda de que o desempenho do candidato da aliança nas urnas ficou abaixo da expectativa diante da ocorrência do segundo turno. "Há uma confusão. A tese política não necessariamente se transforma em tese eleitoral. Em Belo Horizonte foi possível. O resultado foi muito positivo. Tínhamos um candidato que nunca disputou uma eleição. Foi para o segundo turno em primeiro lugar e está na frente das pesquisas. Eu acho um resultado extremamente positivo". Pimentel também não concorda que o PT tenha saído enfraquecido da disputa municipal. O partido domina há 16 anos o Executivo na capital e indicou candidato a vice na chapa de Lacerda, o deputado estadual Roberto Carvalho. "Elegemos uma excelente bancada de vereadores, estamos na chapa majoritária", disse. "O partido está forte em Belo Horizonte e em Minas Gerais". O prefeito também disse não ver problema no fato de os tucanos fazerem parte da administração municipal em caso de vitória de Lacerda. "Se eles estiverem, não vejo nenhum mal nisso. Se tiverem condições técnicas e condições éticas, não é o fato de estar em um ou outro partido que vai impedir de serem convocados. Temos que organizar a prefeitura com o que a cidade tem de melhor", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.