‘Precisa provar que o patrimônio é produto de crime’, diz criminalista

O criminalista Fábio Tofic Simantob, defensor de Osvaldo Ferreira, o Osvaldin, disse que o pedido de sequestro "é tentativa desesperada de se buscar uma satisfação imediata para algo que sabem que não vão conseguir porque esse processo está fadado ao insucesso". "(O pedido) não mostra qual é a relação entre a casa onde meu cliente mora há 20 anos em Uchôa e os fatos em apuração desde 2008. O procurador precisa vincular e provar que o patrimônio (de Osvaldin) foi adquirido com produto de crime. Meu cliente não é um homem rico, leva uma vida modesta. Querem constranger."

O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2013 | 02h10

O criminalista Alberto Zacharias Toron, que defende Olívio Scamatti, disse não haver motivos para o sequestro. "Há uma enorme desproporção entre o que se discute na ação penal (fraude ao caráter competitivo em duas licitações pequenas de obras realizadas no interior) e o que o Ministério Público Federal pede. Estão pedindo muito para pouca acusação. Fala-se mais na imprensa do que na ação penal. É total inversão das coisas." / F.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.