Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PRB veta apoio a Ciro em negociação para aliança eleitoral do centrão

De acordo com o presidente nacional da sigla, Marcos Pereira, seu partido só aceitaria desistir da candidatura do empresário Flávio Rocha se for para apoiar algum nome de centro-direita

Igor Gadelha , O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 10h19

BRASÍLIA - Em negociação com outros partidos do centrão para uma possível aliança na disputa presidencial, o PRB avisou que não há chances de a legenda apoiar o ex-ministro Ciro Gomes (PDT). O apoio ao pedetista já é admitido por integrantes das cúpulas do DEM, PP e Solidariedade, siglas que discutem junto com o PRB a possibilidade de apoiarem o mesmo candidato nas eleições deste ano para o Palácio do Planalto.

"Já avisei que com Ciro não vamos. O PRB não caminha com a esquerda. Ele não é de esquerda, mas o partido dele é e o debate que ele tem feito é de esquerda", afirmou o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, ao Estadão/Broadcast. De acordo com o dirigente, seu partido só aceitaria desistir da candidatura do empresário Flávio Rocha, dono das lojas Riachuelo, se for para apoiar algum nome de centro-direita.

As discussões de DEM, PP, PRB e SD sobre essa possível aliança na disputa presidencial começaram na semana passada. As articulações estão sendo comandadas pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), pré-candidato do DEM ao Planalto. Com o movimento, ele tenta ganhar protagonismo na negociação eleitoral do campo do centro e, ao mesmo tempo, isolar PSDB e MDB, que negociam possível aliança em torno da candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Integrantes das cúpulas desses partidos já se reuniram pessoalmente pelo menos uma vez. O encontro aconteceu na residência oficial da Presidência da Câmara em Brasília. Uma nova reunião está marcada para esta terça-feira, 15, no mesmo local. A ideia é tentar trazer para as conversas o PTB, legenda que tem sinalizado apoio a Alckmin, e, em um segundo momento, o Podemos, que tem o senador Álvaro Dias (PR) como presidenciável.

++ 'Não é para qualquer um, precisa ter estômago de aço', diz França sobre desistência de Barbosa

Nas conversas iniciais, a proposta é que, em julho, essas legendas escolham juntas o nome que apresentar melhores condições de ser eleito. Essas condições envolveriam não só bom desempenho nas pesquisas, mas também índices de rejeição e capacidade de gestão. Essa escolha aconteceria até 5 de agosto, prazo que os partidos têm para realizarem suas convenções para decidirem como vão se posicionar nas eleições de outubro.

Ofensiva. Vetado pelo PRB, Ciro intensificou ofensiva em busca de apoio do PSB após o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa desistir de ser candidato à Presidência pela legenda. A ofensiva se dá por meio de duas frentes. A primeira via cúpulas partidárias. O presidente do PDT, Carlos Lupi, ligou para o presidente do PSB, Carlos Siqueira, e prometeu procurá-lo para uma reunião pessoalmente nesta quarta-feira, 16, em Brasília.

A outra frente é via parlamentares. Integrantes da cúpula do PDT têm abordado deputados do PSB para tentar convencê-los a defenderem aliança do partido com Ciro. A "ofensiva parlamentar"  é comandada pelo líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE), e pelo ex-ministro Cid Gomes, irmão de Ciro e um dos coordenadores da campanha do pedetista ao Palácio do Planalto. "As direções conversam e as bancadas também", resume Figueiredo. 

++ Alckmin: É possível fazer alianças com partidos que já têm pré-candidatos

 

Na quinta-feira, 10, Cid se encontrou em Brasília com os deputados Júlio Delgado (MG), líder do PSB na Câmara, e Alessandro Molon (PSB-RJ). No dia anterior, falou por telefone com o ex-deputado Beto Albuquerque (RS). Um dos vice-presidentes do PSB, Albuquerque lidera ala que defende que o partido busque outro candidato próprio ao Planalto, após a desistência de Barbosa. 

O presidente do PSB, Carlos Siqueira, contudo, descarta candidatura própria. Segundo dirigente, após a desistência de Barbosa, restaram duas opções: se coligar a um candidato com "identidade programática" com o PSB ou liberar seus filiados para apoiarem quem quiserem. "O PSB está indefinido. Não há razão para pressa. As convenções vão até agosto, por que temos que decidir agora? Quem tem pressa são os outros que estão nos procurando", disse ao Estadão/Broadcast.

++ Maia nega que vá retirar candidatura à Presidência para apoiar Ciro Gomes

Desde o anúncio da desistência de Barbosa, o PSB tem sido cobiçado por vários presidenciáveis, principalmente Alckmin e Ciro. O senador Álvaro Dias também entrou na disputa. A presidente nacional do Podemos, deputada federal Renata Abreu (SP), procurou o presidente do PSB. Os dois marcaram de conversar pessoalmente essa semana na capital federal.

Siqueira diz que a legenda só descarta hoje aliança com candidatos de centro-direita ou que defendam plataforma programática semelhante a do governo Michel Temer. "Alckmin é de centro. Se ele construir uma aliança de centro-esquerda pode ter nosso apoio", respondeu o presidente do PSB, ao ser questionado se Alckmin, que negocia possível aliança com o MDB de Temer, não se enquadraria nesse perfil vetado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.