Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

PR vira alvo tanto do PT quanto do PSDB nas eleições paulistanas

Já pensando em 2014, adversários na eleição disputam apoio e minutos de TV do partido

Julia Duailibi e Fernando Gallo, de O Estado de S. Paulo,

28 Maio 2012 | 22h30

SÃO PAULO - Depois do PP, do ex-prefeito e deputado Paulo Maluf, o PR, envolvido no escândalo do mensalão e alvo da faxina no Ministério dos Transportes no ano passado, passou a ser motivo de disputa entre PT e PSDB. Não só na eleição pela Prefeitura de São Paulo, mas também na corrida de 2014.

Nesta segunda-feira, 28, o governador Geraldo Alckmin recebeu os líderes do PR no Palácio dos Bandeirantes - o deputado estadual André do Prado e o deputado federal Valdemar Costa Neto - para discutir uma aliança que passe pela eleição para a Prefeitura, com José Serra (PSDB), e por sua reeleição em 2014. Os tucanos sinalizaram com espaço na máquina estadual para o PR, que tem hoje apenas um deputado estadual. A ideia é que a legenda embarque na administração já no fim do ano, depois da eleição pela Prefeitura paulistana em outubro.

Alckmin já havia se encontrado com Maluf, com quem discutiu alianças para 2012 e 2014, eleição que é a prioridade do governador. PP e PR são donos do quinto e sexto tempos de TV no horário eleitoral gratuito, respectivamente. Como a campanha na TV é um dos principais ativos eleitorais, PT e PSDB negociam para angariar alianças, ou seja, mais minutos no horário gratuito.

Diante do flerte PR-PSDB, o PT correu para agendar um encontro com Valdemar, que estava marcado para esta segunda à noite, mas que não havia ocorrido até a publicação desta reportagem.

Dele, deveriam participar o pré-candidato petista, Fernando Haddad, e o coordenador de campanha, Antonio Donato, além de Valdemar e do presidente municipal do PR, Antonio Carlos Rodrigues, articulador da reunião e suplente da senadora Marta Suplicy (PT-SP).

O PT tenta evitar que o PR vá para o campo tucano, tarefa vista pela própria campanha de Haddad como inglória diante da resistência da presidente Dilma Rousseff de atender aos pleitos ministeriais de Valdemar e do que a pré-campanha considera como “fortíssimas investidas” de Kassab em direção à sigla. Rodrigues é cotado para vaga no Tribunal de Contas do Município, indicação feita pelo prefeito e que consta das negociações.

O ex-presidente Lula conversou há duas semanas com o presidente nacional do PR, Alfredo Nascimento, que sinalizou disposição em fazer esforços pró-Haddad. O senador, no entanto, tem pouca ascendência sobre o PR paulista, majoritariamente comandado por Valdemar.

Segundo turno. O pré-candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, confirmou contato com o adversário do PT para discutir um eventual segundo turno. Para o primeiro, Russomanno garantiu, durante a sabatina promovida pela Rede Record nesta segunda, que manterá a sua candidatura.

Além de Haddad, Russomanno afirmou que ainda articula com o pré-candidato do PMDB, Gabriel Chalita. Recentemente, o PHS - que era cotado para compor a coligação do peemedebista - fechou acordo com o PRB. A mudança teria provocado mal-estar entre o PMDB e o PRB. / COLABOROU RICARDO CHAPOLA

Mais conteúdo sobre:
Eleições 2012 PT PSDB PR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.