PPS apóia José Fogaça em Porto Alegre

O PPS vai apoiar a candidatura de José Fogaça (PMDB) no segundo turno da eleição para a prefeitura de Porto Alegre. A decisão foi tomada hoje pelo diretório municipal, por 19 votos a oito. O resultado revela algumas fissuras no interior do partido, que passa por uma contradição. Ao mesmo tempo em que adere à campanha do ex-filiado, que elegeu em 2004 e que perdeu para o PMDB em 2007, o PPS está analisando um processo disciplinar contra três integrantes de seus quadros - a secretária municipal de Coordenação Política e Governança Local, Clênia Maranhão, o diretor-presidente do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE), Flávio Presser, e o presidente da Carris, Antônio Lorenzi - que permaneceram no governo Fogaça enquanto a sigla tentava eleger Manuela D''Ávila no primeiro turno.A adesão do PPS à candidatura de Fogaça fecha o quadro de apoios dos principais partidos para o segundo turno de Porto Alegre. O atual prefeito conta com o PDT, o PTB e o PSDC desde o primeiro turno a atraiu o PP, o DEM, o PSDB, o PPS e o PMN no segundo turno. A desafiante Maria do Rosário, do PT, atraiu o PC do B, o PSC, o PR e o PT do B à coligação original, do primeiro turno, que contava também com o PRB, o PTC e o PSL. O PSB e o PSOL optaram pela neutralidade.Campanha Pela primeira vez no segundo turno, Fogaça foi hoje à Esquina Democrática, algo que Maria do Rosário já havia feito três vezes. Junto com o senador Pedro Simon (PMDB) e o vice de sua chapa, José Fortunati (PDT), o candidato permaneceu no local por cerca de meia hora, período em que cumprimentou eleitores. "Quando vejo militantes em cada esquina é como se tomasse uma injeção de óleo canforado no meu coração, é como se eu revivesse de novo, como se me revigorasse a cada dia para uma luta que tem o caminho da vitória", afirmou, num discurso de menos de cinco minutos.Maria do Rosário não foi hoje às ruas. Ela ficou no comitê preparando-se para o debate da noite de hoje, na TV Bandeirantes, enquanto o candidato a vice-prefeito, Marcelo Danéris, caminhava pelas calçadas da Avenida Assis Brasil, na zona norte da cidade, apresentando propostas da chapa para o transporte coletivo e a segurança pública.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.