Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Indicado a vice de Alckmin, Josué Gomes diz que candidatura deve ser programática

Empresário agradece indicação do Centrão para seu nome como companheiro de chapa de Alckmin nas eleições de 2018 e cita o pai: 'Vice não manda nada e deve evitar atrapalhar'

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

20 Julho 2018 | 13h03

O empresário Josué Gomes, filho do ex-vice presidente José Alencar, agradeceu nesta sexta-feira, 20, a indicação do Centrão ao seu nome como candidato a vice-presidente na chapa do pré-candidato à Presidência Geraldo Alckmin (PSDB) e defendeu que a coligação deve ter como base programas e ideias para disputar as eleições de 2018

Ele lembrou do pai, morto em 20111,  vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre 2002 e 2010, ao dizer que  o "Importante na chapa é quem a encabeça. Vice não manda nada e deve evitar atrapalhar”, citou em nota à imprensa.

Gomes, que tomou conhecimento do acordo em viagem de trabalho ao exterior, prometeu inteirar-se das negociações feitas pelo Centrão com o PSDB para tomar uma decisão sobre aceitar ou não o convite. 

"Recebi com responsabilidade essa possível indicação. Agradeço a confiança que as lideranças depositam em meu nome", acrescentou o empresário, que é filiado ao PR, de Valdemar Costa Neto, e dirige a Coteminas. 

O acordo

O Centrão decidiu ontem fechar apoio a Alckmin em detrimento do ex-ministro Ciro Gomes, do PDT após semanas de indecisão. A entrada no PR no bloco, influenciou na decisão de fechar o apoio ao PSDB, uma vez que Costa Neto defendia uma aproximação com Alckmin. A pressão feita pelo Planalto para que o grupo não se unisse a Ciro também foi decisiva. 

O governo ameaçou tirar cargos de quem se unisse a Ciro, principalmente do PP, que comanda os Ministérios da Saúde, Cidades e Agricultura - com orçamentos que, juntos, somam R$ 153,5 bilhões -, além de ter o comando da Caixa. Formam o Centrão DEM, PR, PP, PRB e Solidariedade

A seguir, leia a íntegra da nota de Josué Gomes

Em viagem de trabalho ao Exterior, tomei conhecimento da decisão do Partido da República, ao qual sou filiado, de, juntamente com o DEM, PP, PRB e Solidariedade, apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República, sugerindo o meu nome como possível vice da chapa. Relembro o meu saudoso pai, que dizia que o importante na chapa é quem a encabeça. E acrescentava: “Vice não manda nada e deve evitar atrapalhar”. 

De minha parte, creio firmemente que uma coligação deva estar baseada em programas e ideias que projetem os rumos a serem seguidos pelo Brasil. Recebi com responsabilidade essa possível indicação. Agradeço a confiança que as lideranças depositam em meu nome. No meu retorno, procurarei inteirar-me dos encaminhamentos feitos pelos partidos, para que possa tomar uma decisão.

Josué Christiano Gomes da Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.