Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Indicado a vice de Alckmin, Josué Gomes diz que candidatura deve ser programática

Empresário agradece indicação do Centrão para seu nome como companheiro de chapa de Alckmin nas eleições de 2018 e cita o pai: 'Vice não manda nada e deve evitar atrapalhar'

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2018 | 13h03

O empresário Josué Gomes, filho do ex-vice presidente José Alencar, agradeceu nesta sexta-feira, 20, a indicação do Centrão ao seu nome como candidato a vice-presidente na chapa do pré-candidato à Presidência Geraldo Alckmin (PSDB) e defendeu que a coligação deve ter como base programas e ideias para disputar as eleições de 2018

Ele lembrou do pai, morto em 20111,  vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre 2002 e 2010, ao dizer que  o "Importante na chapa é quem a encabeça. Vice não manda nada e deve evitar atrapalhar”, citou em nota à imprensa.

Gomes, que tomou conhecimento do acordo em viagem de trabalho ao exterior, prometeu inteirar-se das negociações feitas pelo Centrão com o PSDB para tomar uma decisão sobre aceitar ou não o convite. 

"Recebi com responsabilidade essa possível indicação. Agradeço a confiança que as lideranças depositam em meu nome", acrescentou o empresário, que é filiado ao PR, de Valdemar Costa Neto, e dirige a Coteminas. 

O acordo

O Centrão decidiu ontem fechar apoio a Alckmin em detrimento do ex-ministro Ciro Gomes, do PDT após semanas de indecisão. A entrada no PR no bloco, influenciou na decisão de fechar o apoio ao PSDB, uma vez que Costa Neto defendia uma aproximação com Alckmin. A pressão feita pelo Planalto para que o grupo não se unisse a Ciro também foi decisiva. 

O governo ameaçou tirar cargos de quem se unisse a Ciro, principalmente do PP, que comanda os Ministérios da Saúde, Cidades e Agricultura - com orçamentos que, juntos, somam R$ 153,5 bilhões -, além de ter o comando da Caixa. Formam o Centrão DEM, PR, PP, PRB e Solidariedade

A seguir, leia a íntegra da nota de Josué Gomes

Em viagem de trabalho ao Exterior, tomei conhecimento da decisão do Partido da República, ao qual sou filiado, de, juntamente com o DEM, PP, PRB e Solidariedade, apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República, sugerindo o meu nome como possível vice da chapa. Relembro o meu saudoso pai, que dizia que o importante na chapa é quem a encabeça. E acrescentava: “Vice não manda nada e deve evitar atrapalhar”. 

De minha parte, creio firmemente que uma coligação deva estar baseada em programas e ideias que projetem os rumos a serem seguidos pelo Brasil. Recebi com responsabilidade essa possível indicação. Agradeço a confiança que as lideranças depositam em meu nome. No meu retorno, procurarei inteirar-me dos encaminhamentos feitos pelos partidos, para que possa tomar uma decisão.

Josué Christiano Gomes da Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.