Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Por risco de rejeição judicial, Dirceu decidiu optar por 'plano B'

Auxiliares de ex-ministro relatam que ele preferia abrir uma filial ou levar para Brasília sua empresa de consultoria em vez de trabalhar como gerente de hotel

Pedro Venceslau - O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2013 | 02h19

O emprego de gerente no hotel Saint Peter em Brasília não era a opção preferencial do ex-ministro condenado no mensalão José Dirceu, mas foi considerado por sua defesa o cenário com menor risco de rejeição por parte do juiz Bruno Ribeiro. Responsável pela execução da sentença, ele seria próximo do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, e poderia negar a autorização para que Dirceu saia da Penitenciária da Papuda às 7h e retorne às 19h diariamente para trabalhar.

Amigos e auxiliares do ex-ministro relatam que ele preferia abrir uma filial ou transferir para Brasília sua empresa de consultoria. Dessa forma, teria mais liberdade para coordenar o movimento em sua defesa, fazer contatos profissionais e atualizar seu blog. Além disso, poderia usufruir de um espaço confortável no período em que estivesse fora do presídio.

"O juiz de execução poderia negar a autorização de trabalho caso julgasse que o emprego pudesse dificultar a execução da pena ou fosse uma forma de burlar a lei", explica o advogado criminalista Pierpaolo Bottini, responsável pela defesa de Luiz Carlos da Silva, o Professor Luizinho, na primeira etapa do julgamento do mensalão.

O segundo cenário para José Dirceu seria trabalhar em um escritório de advocacia. Alguns profissionais amigos do ex-ministro foram sondados, entre eles Hélio Madalena, Sigmaringa Seixas e Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. A conversa com Madalena foi a única que avançou e ele aceitou contratar Dirceu. "O problema é que ele é muito marcado como amigo do ex-ministro", afirma um interlocutor.

Outro empecilho nesse caso foi o pedido de cassação do registro do ex-ministro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A entidade, que até agora evitou qualquer tipo de manifestação sobre o mensalão, costuma ser sensível a casos nos quais a condenação criminal já transitou em julgado.

"Foram inúmeras as opções de trabalho que ele recebeu. A escolha do hotel, entretanto, é a que preenche todos os requisitos necessários para o deferimento do juiz", diz o advogado Marco Aurélio Carvalho, coordenador jurídico do PT e um dos principais aliados do ex-ministro no partido.

O entorno de José Dirceu avalia que a opção pelo hotel é provisória e que um pedido para outro trabalho deve ser feito. Mas isso só deve acontecer depois de outubro de 2014, após as eleições e quando o ministro Joaquim Barbosa deixar a presidência do Supremo.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojosé dirceugerente de hotel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.