Por Marina, PSB vai apresentar plano de 'cidade sustentável'

Dirigente do partido de Campos afirma que reforma urbana será uma das prioridades do governador de Pernambuco em 2014

Débora Bergamasco, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2013 | 02h15

BRASÍLIA - Integrantes da Rede, cujo registro foi negado pela Justiça Eleitoral, e os do PSB, que abrigou os "marineiros" sem partido, começam a chegar a um primeiro consenso no prometido "debate programático" iniciado há uma semana: transformar a reforma urbana, sob o conceito de "cidade sustentável", em prioridade do projeto presidencial que une a ex-ministra Marina Silva e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

A ideia dos dois grupos, que ainda divergem em uma série de questões, é "vender" a ideia de que hoje os principais problemas ambientais estão nas cidades. "Quer assunto mais relacionado com o meio ambiente do que falta de esgoto e de água potável? Do que a falta de um transporte público de qualidade que alivie o trânsito dos grandes centros?", diz o primeiro-secretário nacional do PSB, Carlos Siqueira.

O tema é caro a Marina, ex-titular do Meio Ambiente do governo Luiz Inácio Lula da Silva que anunciou apoio a Campos tão logo viu ruir seu projeto de criar um novo partido a fim de disputar o Planalto em 2014.

"O PSB sempre falou de reforma urbana, só não usávamos a palavra 'sustentabilidade', que talvez seja um termo mais contemporâneo. Mas é apenas uma questão de vocabulário, porque o conceito é o mesmo", diz Siqueira, segundo quem, desde 2002, o tema aparece em programas de governo do PSB.

Além de valer como um assunto afim entre PSB e a Rede, coordenadores da sigla acreditam que uma proposta de programa robusto e de impacto voltado para a reforma urbana pode responder em cheio aos pedidos dos manifestantes que tomaram as ruas em junho.

O programa, ainda em fase embrionária, teria como objetivo focar na questão de "políticas integradas", com ações coordenadas nas áreas de educação, saúde, mobilidade, segurança, cultura e esportes para garantir a vida "sustentável" na cidade.

Lições. Campos foi ministro de Ciência e Tecnologia durante o primeiro mandato de Lula - integrava o ministério junto com Marina. Sua ideia, segundo aliados, é explorar o tema "cidade sustentável" a fim de apresentar uma pauta que vá além do combate à miséria, já explorado pelos petistas nas eleições anteriores. Quer, assim, reforçar seu discurso segundo o qual "é possível fazer mais".

Esse discurso segundo o qual "é possível fazer mais" vem sendo feito por Campos, até agora, principalmente para criticar a condução da economia do País pela presidente Dilma Rousseff. Marina também entrou no debate com duras críticas à gestão da petista. Lula, na semana passada, saiu em defesa de Dilma, sua afilhada política.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.