Por aparição na TV, capricho nas imagens

Início da cobertura das campanhas pela Globo mobiliza candidatos, que se empenham em eventos que rendam boas imagens

O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2012 | 03h08

No dia em que a TV Globo começou sua cobertura diária da campanha eleitoral, candidatos à Prefeitura de São Paulo apostaram em agendas que rendessem boas imagens para não fazer feio em frente às câmeras da maior emissora do País.

O tucano José Serra convidou o governador Geraldo Alckmin (PSDB) para acompanhá-lo em visita a um instituto de reabilitação no Morumbi, zona sul da capital. O petista Fernando Haddad fez uma caminhada em Cidade Tiradentes, zona leste, com direito a discurso do alto de um carro de som.

Ao optarem por atos em regiões como o Morumbi, predominantemente tucano, e a zona leste, onde o PT tem mais força, os dois candidatos também tiveram o cuidado de não se afastar da segurança dos seus redutos eleitorais tradicionais.

Imagem. Diante das câmeras da Globo, Serra fez questão de interromper suas entrevistas sempre que a voz falhava ou algum barulho atrapalhava a gravação. Foi assim quando tossiu durante uma resposta e quando a buzina de um caminhão cobriu sua fala.

"Os programas de rádio e jornais de TV acabam sendo mais importantes que o horário eleitoral, porque não têm ensaio. Os jornalistas é que escolhem as pautas e as perguntas, então tem um grau de espontaneidade maior", disse.

Com o início da cobertura pela TV Globo, a equipe de Serra abandona a estratégia de preservar sua imagem e passa a aumentar a exposição do candidato. Os tucanos entendem que as emissoras costumam evitar temas polêmicos, mantendo o foco nas propostas.

No evento petista, Haddad também esperou os técnicos da emissora ajustarem seus equipamentos, para só então dar início à entrevista coletiva.

Roteiros. Durante a visita ao instituto de reabilitação, Serra conversou com pacientes e suas famílias. O evento reforça duas bandeiras da campanha do tucano.

Em seus discursos, o candidato costuma apresentar como trunfo sua parceria com Alckmin, o que ampliaria os investimentos na capital. Além disso, tenta colar sua imagem a projetos inovadores e destaca com frequência a criação da rede Lucy Montoro de reabilitação de deficientes, quando Serra foi governador do Estado.

Haddad aproveitou a caminhada pela zona leste para continuar se apresentando aos eleitores, prática adotada desde o início da campanha nas ruas. "Eu sou Fernando Haddad, candidato do PT à Prefeitura", repetia ele toda vez que cumprimentava alguém.

Antes desse evento, o petista visitou uma família que sofre com a falta de vagas em creches municipais. Em uma casa de quatro cômodos na Vila Jacuí, onde vivem oito pessoas, o candidato conversou com Daniela da Silva, de 23 anos, que teve de sair do emprego porque não tinha com quem deixar a filha, Eloísa, de 1 ano. "Antigamente era mais fácil (conseguir uma vaga). Eu me criei na creche", disse. No local, Haddad prometeu acabar com o problema que atinge cerca de 150 mil crianças na capital.

Os demais candidatos também optaram por atos de campanha na rua. Gabriel Chalita, do PMDB, visitou a Ceagesp, na zona oeste, e Celso Russomanno (PRB) fez uma caminhada pelo Largo 13 de Maio, zona sul da capital. / BRUNO BOGHOSSIAN e ISADORA PERON

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.