Popularidade de Lula não transfere votos para aliados

Mesmo com popularidade de 80%, presidente vê petistas ameaçados no 2º turno

Luiz Alberto Weber, do Estado de S.Paulo,

06 de outubro de 2008 | 08h53

Mesmo embalado por uma popularidade que beira os 80% de aprovação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não se transformou em um midas eleitoral. Os resultados das urnas mostraram que as candidaturas "tocadas" por Lula não absorveram o prestígio presidencial.  Leia também: Lula espera 2º turno tão grandioso quanto o primeiro Eleições municipais costumam estar envolvidas por um campo de força que repele as tensões entre governo e oposição travadas em Brasília. No entanto, ao se escalar como protagonista nas disputas em Natal e São Paulo, Lula atraiu como um ímã os resultados negativos obtidos por seus candidatos nessas duas cidades. Em Natal, Lula subiu no palanque de Fátima Bezerra (PT) com o objetivo manifesto de derrotar Micarla de Sousa, do PV, apoiada pelo senador Agripino Maia (DEM-RN), um dos líderes da oposição ao Planalto.'Vamos fazer um ajuste de contas aqui em Natal e virei aqui quantas vezes precisar para derrubar quem faz o jogo sujo da política nacional', afirmou. Lula acusou o DEM de ter transformado sua vida em inferno no primeiro mandato. Micarla foi eleita no primeiro turno com 50,84% dos votos válidos. Na capital paulista, o engajamento presidencial foi mais discreto, e a derrota, menos fragorosa, vez que poderá ser revertida no segundo turno. Mas não estava no script do PT e do Planalto ver a ex-ministra do Turismo Marta Suplicy ultrapassada pelo atual prefeito Gilberto Kassab, do DEM.  

Tudo o que sabemos sobre:
LulaEleições2008Marta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.