Políticos aderem à moda das fotos de infância nas redes sociais

Aspirantes a prefeito aproveitaram para promover propostas relacionadas às crianças, como a criação de novas creches

Paula Pauli e Bárbara Mangieri, especiais para O Estado, O Estado de S. Paulo

12 de outubro de 2016 | 19h52

São Paulo - Em homenagem ao Dia da Criança, comemorado nesta quarta-feira, 12, vários políticos, entre eles alguns candidatos que disputam o segundo turno das eleições municipais, trocaram suas imagens de perfil nas redes sociais por fotos da própria infância. Nas postagens, alguns aspirantes a prefeito aproveitaram para promover suas propostas relacionadas às crianças, caso eleitos.

Iris Rezende (PMDB), candidato à prefeitura de Goiânia, foi um dos que aderiram à moda. Valendo-se da data comemorativa, ele prometeu levar a Guarda Civil Metropolitana para a porta das escolas e faculdades. “Também vamos fazer ronda pelos pontos de ônibus. O jovem precisa de tranquilidade ao chegar e sair da aula”, afirmou.

O prefeito e candidato à reeleição em Maceió, Rui Palmeira (PSDB), além de trocar a foto, fez outras postagens relacionadas à data. Ele propôs a criação de vinte novas creches e divulgou um vídeo no qual assina o Termo de Adesão do Programa Prefeito Amigo da Criança, da Fundação Abrinq, que compromete os prefeitos a desenvolver políticas públicas para a infância e a adolescência em seus mandatos.

No Rio de Janeiro, o candidato do PSOL, Marcelo Freixo, não alterou a foto de perfil no Facebook, mas postou no Instagram, dois dias antes, uma imagem de quando era criança, com o logotipo de sua campanha no canto. 

Não foram apenas candidatos a prefeituras que entraram na onda das fotos de criança. Políticos de longa data também quiseram mostrar como eram há décadas. O deputado federal Paulo Maluf (PP) escolheu uma fotografia de quando era apenas um bebê, enquanto o vereador recém-eleito Eduardo Suplicy (PT) optou por uma foto de seus tempos de estudante, com uma caneta na mão./COLABORARAM CARLOS NEALDO E RUBES SANTOS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.