Reproduçaõ Instagram
Reproduçaõ Instagram

Podemos abre processo disciplinar que pode levar à expulsão de Arthur do Val

Deputado estadual afirmou que não forçará o partido pela permanência e lutará contra cassação

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 21h03

O Podemos iniciou nesta segunra-feira, 7, um processo interno que pode resultar na expulsão do deputado estadual Arthur do Val, conhecido como Mamãe Falei, por declarações consideradas depreciativas às mulheres ucranianas e deu abertura hoje ao processo disciplinar interno. 

“A realização do procedimento é necessária para qualquer tipo de punição, em respeito à ampla defesa e ao contraditório”, escreve o partido em nota. O pedido foi assinado pelas presidentes do Podemos Mulher Nacional e estadual de São Paulo, respectivamente, Márcia Pinheiro e Alessandra Algarin.

Do Val terá cinco dias para apresentar sua defesa à Comissão de Ética e Disciplina do Podemos, que fará um parecer à Comissão Executiva estadual.

O parlamentar também enfrenta pressão na Assembleia Legislativa de São Paulo. Ao menos 37 deputados assinaram representações no Conselho de Ética da Casa pedindo a cassação de seu mandato. 

Duas organizações também pediram a cassação de Arthur do Val: o Movimento Contra a Corrupção Eleitoral e a Seccional Paulista da Ordem dos Advogados do Brasil.

'Se o partido não me quiser, eu saio'

O deputado afirmou que ainda não pensou sobre o processo de exclusão do Podemos, mas não pretende pressionar pela permanência. "Não vou forçar o partido a me aceitar, de jeito nenhum. Não quero que o partido seja forçado a me aceitar lá dentro, se o partido não me quiser, eu saio", disse do Val.

Em nota, o membro do MBL disse que lutará “contra a injustiça”, se referindo à iniciativa de parlamentares que pedem a cassação do seu mandato. 

"Dei uma declaração lamentável, admito e peço desculpas por isso; além de tudo, perdi minha noiva e prejudiquei meus amigos. Isso tudo é sinal dos tempos: ladrões ficam impunes, gente honesta perde o mandato. Lutarei até o fim contra esta injustiça.", escreveu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.