PMDB mineiro acusa Lacerda de tentar intimidar Quintão

O PMDB mineiro, do candidato Leonardo Quintão, acusou hoje dois coordenadores da campanha do adversário Márcio Lacerda (PSB), os deputados federais licenciados Virgílio Guimarães (PT) e Miguel Correia Junior (PT), de terem contratado pessoas para intimidar Quintão nos eventos de rua durante campanha do segundo turno para prefeito de Belo Horizonte. "Está um clima perigoso", afirmou o deputado estadual Antônio Júlio (PMDB). "Eles estão contratando uma milícia para intimidar o nosso candidato. Falaram que era para bater até sangrar."De acordo com o deputado estadual, o candidato do PMDB solicitou proteção da Polícia Federal (PF) e se reunirá na manhã de amanhã com o superintendente regional da corporação, Marcos David Salem. Na noite de segunda-feira, alegando que recebeu ameaças de um grupo com botons e adesivos de Lacerda, Quintão requisitou escolta policial para deixar uma faculdade na região central da cidade e registrou ocorrência na delegacia. Virgílio, coordenador-geral da campanha de Lacerda, reagiu com ironia e sugeriu que o peemedebista solicite mesmo proteção. "É uma pessoa ciclotímica. Acho que quem tem esse tipo de transtorno, para dar um certo conforto espiritual e psicológico, deve pedir. Agora deve também chamar um especialista", disse o deputado, rechaçando as acusações."Quando falam que nossa campanha é mais agressiva, é porque ela se tornou mais contundente. Os ataques feitos ao Quintão são produzidos por ele mesmo. É ele que fala que vai arrancar essa turma da prefeitura com o pé na bunda", completou Virgílio, numa referência ao vídeo no qual o peemedebista, em evento de campanha para seu pai, Sebastião Quintão (PMDB), na cidade de Ipatinga (MG), conclama os presentes a "chutar a bunda" dos petistas. "É uma tática para nos tirar de combate, mas não terá efeito", avaliou o deputado federal Correia Júnior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.