Ricardo Stuckert/Reuters
Ricardo Stuckert/Reuters

Plano nacional atrai PSB ao PT, diz Lula

Ex-presidente conversou ontem com pré-candidato do PT à Prefeitura, Fernando Haddad, e diz confiar em aliança das siglas em SP

DAIENE CARDOSO, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2012 | 03h05

SÃO PAULO - Ao retomar gradualmente as articulações políticas para as eleições deste ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prepara o terreno para que o PSB possa apoiar o petista Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. Haddad esteve na manhã de ontem com Lula, no Hospital Sírio-Libanês. O ex-presidente será submetido a exames na próxima semana para avaliar se houve remissão do tumor na laringe. Ele faz tratamento contra o câncer desde novembro de 2011.

Segundo Haddad, o ex-presidente disse acreditar que o projeto nacional dos partidos da base de sustentação do governo Dilma Rousseff vai prevalecer sobre os interesses das eleições municipais. "Temos um projeto nacional em curso e ele (Lula) entende que esse projeto será resguardado", relatou o ex-ministro, após conversa de 35 minutos com o ex-presidente.

Lula disse ainda estar confiante no resultado da conversa que terá com o presidente do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, sobre a aproximação entre os dois partidos para a campanha da eleição de outubro. O encontro entre os dois poderá ocorrer amanhã ou no início da próxima semana.

O pré-candidato petista afirmou que Lula está confiante num acordo do partido de Campos com o PT, embora dirigentes nacionais do PSB já cogitem uma terceira via em São Paulo para evitar constrangimentos ao partido. Em São Paulo, o PSB integra a base de apoio do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

"Temos de respeitar o tempo de cada partido", ponderou Haddad, referindo-se à formalização de uma eventual aliança.

Lula aposta na história política ao lado de Eduardo Campos para convencer o PSB. Além de ter sido ministro do petista, o governador de Pernambuco viu a sua popularidade crescer no Estado ancorada a projetos federais e ao carisma do ex-presidente, um pernambucano.

"Eles (Lula e Campos) têm um projeto em comum de muitos anos com um futuro muito promissor", afirmou Haddad.

Entre as aspirações políticas de Eduardo Campos está a chance de disputar a vice-presidência numa eventual reeleição de Dilma Rousseff e a Presidência possivelmente em 2018. O governador espera contar com a ajuda de Lula para o projeto futuro.

Estratégia comum. Segundo Haddad, os dois conversaram sobre o quadro político nacional para estabelecer uma linha comum de ação nas eleições deste ano. Lula não definiu uma data para voltar de vez às articulações políticas, mas garantiu que em breve estará atuando nas campanhas petistas de todo o País.

O pré-candidato petista disse que ficou surpreso com a melhora do estado de saúde do ex-presidente. "Fiquei muito feliz em encontrá-lo com a voz muito recuperada e a caminho da cura plena."

Tudo o que sabemos sobre:
PSBPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.