Planalto não quer o PTB no primeiro escalão

Dilma estuda dar mais cargos a aliado, mas apenas em estatais ou autarquias; sigla, porém, quer vaga na Esplanada

BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

29 de março de 2013 | 02h04

A presidente Dilma Rousseff trabalha para tentar manter o PTB na base aliada do governo, assim como faz com o PR. Mas, no caso do partido de Roberto Jefferson, algoz dos petistas no mensalão, a ideia é não ceder um ministério. Os líderes petebistas querem a pasta da Ciência e Tecnologia ou a recém-criada Secretaria da Microempresa. Dilma, porém, aceita entregar apenas o comando de alguma estatal ou autarquia.

Nas últimas semanas, os dirigentes do partido foram sondados pelo governador de Pernambuco e provável candidato à Presidência, Eduardo Campos (PSB). Para conter o assédio de Campos, Dilma deve receber na próxima semana lideranças da legenda.

O PTB integra a base aliada do governo, mas não ocupa nenhum ministério. Tem a presidência da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Para complicar as negociações, Dilma tem reclamado, nos bastidores, da direção da Conab e poderá trocar o comando da companhia federal.

Histórico. Uma das siglas mais adesistas da política brasileira, o PTB se distanciou do governo Lula em 2005 quando o seu então presidente, Jefferson, denunciou o esquema do mensalão. Na eleição de 2010, o partido subiu no palanque do tucano José Serra.

Com a vitória de Dilma, o partido aderiu à presidente eleita e voltou à base do Palácio do Planalto no Congresso, mas sem cargos no primeiro escalão.

O presidente do PTB, Benito Gama, disse que seu partido ainda não foi procurado pela presidente Dilma para tratar da ampliação da participação no governo.

"Ela não nos procurou para falar sobre nada e nem nós a procuramos para pedir qualquer coisa", afirmou. "Estamos aguardando o chamado da presidente."

Gama ressaltou que houve, até agora, apenas conversas da presidente com o líder do PTB no Senado, Gim Argello (DF).

Cobiça. O PTB quer emplacar o senador João Claudino (PI) na Esplanada dos Ministérios. Na semana passada, Claudino, que preside o PTB no Piauí, espalhou entre seus correligionários que iria para o Ministério de Ciência e Tecnologia. Claudino pretende ser ministro, mas teme que Dilma exija que ele não dispute as eleições no próximo ano. O senador quer concorrer ao governo do Estado. / LEONENCIO NOSSA, JOÃO DOMINGOS e VERA ROSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.