Pimentel viaja com a segurança de estar blindado

Dilma aciona líderes para evitar convocação pelo Congresso de seu ministro, que irá a Genebra; ele é suspeito de tráfico de influência em consultoria

TÂNIA MONTEIRO , RAFAEL MORAES MOURA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2011 | 03h05

A presidente Dilma Rousseff orientou ontem a base aliada a impedir a convocação do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. A ordem, transmitida aos integrantes da coordenação política, busca preservar um dos ministros mais próximos de Dilma.

Para o Planalto, o assunto está encerrado, já que Dilma entende que ele deu todas as explicações que eram necessárias e classificou-as como satisfatórias. O governo faz questão de destacar também que as "ilações" contra Pimentel se referem a um tempo que ele nem estava no governo.

Pimentel estava com passagem marcada, na noite de ontem, para embarcar para Genebra onde participa da reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC). A presidente o orientou a viajar tranquilo, assegurando-lhe que as lideranças partidárias garantiram que não haveria risco de ele ser convocado pelo Congresso para dar explicações.

A presidente lhe recomendou que resistisse, lembrando que ela mesma foi alvo de diferentes ataques e "sobreviveu". O governo conta com o recesso parlamentar para que o assunto caia no esquecimento.

O ministro vem sendo alvo de acusações de tráfico de influência nas atividades de consultoria exercidas por sua empresa, a P-21. O caso tem sido comparado ao de Antonio Palocci, que saiu da Casa Civil após informações sobre sua evolução patrimonial e suas atividades de consultor.

Ontem, coube à ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, sair em defesa de Pimentel. "Olha, temos em primeiro lugar, o apoio da presidenta", afirmou, depois de lembrar que Pimentel acompanhou Dilma em viagem na Argentina. "A impressão que temos é que as explicações (de Pimentel) têm sido satisfatórias, não havendo necessidade de levar o assunto ao Congresso."

Ideli disse ainda que era "importante realçar que ele não estava exercendo nenhum cargo público quando exerceu o seu trabalho de economista, prestando consultorias".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.