PIB fraco eleva o desejo de mudança no País, diz Aloysio

Candidato a vice-presidente da República afirma que previsão do governo de alta de 3% para o PIB em 2015 mostra que a presidente Dilma Rousseff vive em "um universo paralelo"

GUSTAVO PORTO, Estadão Conteúdo

29 de agosto de 2014 | 13h49

O candidato a vice-presidente da República Aloysio Nunes (PSDB-SP) afirmou na tarde desta sexta-feira, 29, ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que o contraste entre Produto Interno Bruto (PIB) negativo no primeiro e no segundo trimestre de 2014 e a previsão do governo de alta de 3% para o PIB em 2015 mostram que a presidente Dilma Rousseff (PT) vive em "um universo paralelo".

"Além do PIB fraquíssimo, tivemos o envio ao Congresso da proposta orçamentária, prevendo o crescimento de 3% para 2015. Isso mostra que o governo está absolutamente desconectado da realidade e que a presidente Dilma infelizmente vive num universo paralelo do mundo real", afirmou o tucano. "O PIB fraquíssimo não fortalece a oposição, mas fortalece o desejo de mudança no Brasil", concluiu o candidato a vice-presidente e também senador.

Recessão técnica. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira que o PIB do segundo trimestre de 2014 foi negativo em 0,6% e revisou o do primeiro trimestre para queda de 0,2%.Os dados indicam que o País vive uma recessão técnica da atividade econômica. A tese não é unânime - o IBGE, por exemplo, refuta a ideia. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, declarou que a queda de 0,6% ficou aquém do esperado e se deu pelo desapontamento dos resultados da economia internacional e problemas pontuais internos como os efeitos da estiagem. Para Mantega, isso levou à redação do mercado internacional para as exportações dos produtos brasileiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.