PF prende deputado e assessor em Rondônia

Esquema de desvios na saúde envolvia adjunto da pasta e presidente da Assembleia

NILTON SALINA , ESPECIAL PARA O ESTADO , PORTO VELHO, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2011 | 03h03

A Polícia Federal deflagrou ontem a Operação Termópilas e prendeu o presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, deputado Valter Araújo (PTB); o secretário adjunto de Saúde, José Batista da Silva; o diretor de um jornal de circulação estadual, Mário André Calixto; além de quatro empresários e sete servidores públicos acusados de integrar organização criminosa que nos últimos dois anos teria desviado até R$ 20 milhões das secretarias de Saúde e Justiça e do Detran através de contratos superfaturados com empresas que venceram licitações direcionadas para limpeza e fornecimento de alimentação.

Entre os detidos está Rômulo da Silva, assessor do governador de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB). A PF apurou que o assessor não tinha a anuência de Moura, mas se valia de sua proximidade e da confiança do chefe do Executivo para favorecer a quadrilha. O governador cancelou todos os seus compromissos políticos marcados para ontem e no fim de semana para acompanhar o desfecho da operação.

A PF cumpriu mandados de busca nos gabinetes e nas residências de sete deputados estaduais que pertenciam à Mesa Diretora, mas foram afastados da direção da Assembleia pela Justiça devido à investigação. O procurador-geral de Justiça de Rondônia, Héverton Alves de Aguiar, disse que a Assembleia não está sob investigação. "Estão sendo investigados alguns membros do Poder Legislativo que se envolveram em um esquema de desvio de dinheiro público. Pode ser que sejam inocentados, e também pode haver o aparecimento de fatos que aumentem a lista de investigados."

O superintendente da PF em Rondônia, Donizete Aparecido Tambani, explicou que há um ano e meio foi iniciada a investigação de desvio de dinheiro do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado. Em abril deste ano foi verificado que também havia desvio de recursos estaduais na Secretaria de Saúde. O Ministério Público Estadual pediu ajuda à PF que rastreou contratos entre o governo e cinco empresas prestadoras de serviços que receberam R$ 120 milhões do governo - estão sob investigação duas empresas que teriam o deputado Valter Araújo como verdadeiro controlador.

Operação. A Termópilas mobilizou 300 agentes federais, sob comando do delegado Fabrício Fernando Diogo Braga. Ele explicou o nome da operação. "Antes de Cristo, 300 gregos enfrentaram o exército persa. Hoje, 300 policiais federais combateram organização criminosa que avança contra a democracia."

Na residência do secretário adjunto de Saúde foram encontrados R$ 171,6 mil em dinheiro. Segundo a PF, ele integraria a organização para obtenção de contratos com o governo do Estado.

Na residência do deputado Valter Araújo foram apreendidos R$ 8,4 mil e sete armas não registradas. Com a deputada Ana Belarmine os agentes encontraram R$ 39 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.