PF deve indiciar até 50 por fraude ambiental

A Polícia Federal estima que deverá indiciar até 50 pessoas no inquérito que investiga fraudes em processos de licenciamento ambiental no Rio Grande do Sul. Anteontem, 18 suspeitos foram presos temporariamente, entre eles os secretários do Meio Ambiente do Estado e de Porto Alegre.

ELDER OGLIARI / PORTO ALEGRE , O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2013 | 02h03

O esquema investigado pela PF e pelo Ministério Público Federal identificou a liberação de licenciamentos ambientais com prioridade, que passavam à frente na fila, ou com admissão de irregularidades, por funcionários de órgãos públicos federais, estaduais e municipais. As fraudes ocorriam mediante pagamento de propinas - que chegavam a R$ 70 mil - em dinheiro repassado por despachantes ou empresários com trânsito direto nas repartições.

Foram presos o secretário estadual do Meio Ambiente, Carlos Fernando Niedersberg (PC do B), o secretário municipal do Meio Ambiente, Luiz Fernando Zachia (PMDB), e o consultor Berfran Rosado (PPS), que foi secretário estadual do Meio Ambiente no governo de Yeda Crusius (PSDB). Todos estão nas celas destinadas a policiais, agentes da Justiça e formados em algum curso superior do Presídio Central de Porto Alegre.

Os secretários foram afastados dos cargos pelo governador Tarso Genro (PT) e pelo prefeito José Fortunati (PDT).

A PF começou a tomar os depoimentos ainda na segunda-feira, logo após as prisões. Os mandados de prisão temporária expedidos pela Justiça Federal vencem na sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.