PF deve assumir investigação sobre assassinato de agente da Monte Carlo

O agente federal Wilton Tapajós Macedo, assassinado a tiros no cemitério de Brasília anteontem, atuou na linha de frente das investigações que desarticularam a máfia que explorava caça-níqueis e jogos de azar em Goiás. Coube a ele acompanhar ações de Lenine Araújo de Souza, um dos principais auxiliares do contraventor Carlinhos Cachoeira, e também de policiais militares e civis, que faziam parte da organização criminosa desmantelada pela Operação Monte Carlo.

VANNILDO MENDES, ALANA RIZZO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2012 | 03h06

Essa atuação reforça a tese de que o crime seria vingança de membros da quadrilha, ou queima de arquivo. A Polícia Federal, que participa das investigações com a Polícia Civil, prepara-se para assumir totalmente o inquérito, que deve ser federalizado. Por enquanto, porém, não estão descartadas outras hipóteses, como latrocínio, crime passional ou acerto de contas com desafetos. O agente sentia-se ameaçado e recentemente registrou Boletim de Ocorrência de uma suposta perseguição que teria sofrido próximo a um shopping.

Os autos da Monte Carlo mostram que Tapajós registrou a liberação de máquinas apreendidas no Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) de Luziânia, cidade goiana a cerca de 60 quilômetros de Brasília, além de ter monitorado encontros de Lenine e outros membros da quadrilha. Entre eles, o delegado da Polícia Civil de Goiás, Hylo Marques, então titular da delegacia em Águas Lindas de Goiás, e Anderson Aguiar Drumond, auxiliar administrativo e chefe da divisão de serviços gerais da PF.

Sob o comando do delegado Matheus Mella Rodrigues, Tapajós trabalhou com outros seis agentes no monitoramento das interceptações telefônicas e dos e-mails dos principais denunciados na operação. O agente estava em horário de serviço quando foi assassinado - por volta das 15 h de anteontem, com dois tiros na nuca, à queima roupa, em frente ao túmulo dos pais. Este é mais um argumento pela federalização das investigações. O enterro está previsto para a manhã de hoje.

O crime foi testemunhado por um jardineiro e um coveiro, que prestaram depoimento ontem. Uma terceira testemunha, ainda não localizada, teria ouvido o autor dos disparos proferir uma frase intrigante: "Isso é pelo nosso irmão". A polícia não localizou essa testemunha, mas faz um apelo para que as pessoas que tenham algo a acrescentar que colaborem, tanto na localização dos criminosos, como do veículo da vítima, levado por um deles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.