Petrobrás reduziu em 41% contrato suspeito

Revisão do valor de negócio com empreiteira Odebrecht ocorreu após auditoria interna; lobista apontou contrato como fonte de doações para campanha eleitoral de 2010

Sabrina Valle - O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2013 | 02h07

Rio - Um contrato da Petrobrás com a empreiteira Odebrecht, apontado por um lobista como fonte de doações para campanhas de 2010, teve seu valor reduzido em cerca de 41% após uma auditoria interna da estatal.

O contrato assinado em outubro de 2010 previa a prestação de serviços de segurança e meio ambiente para a Petrobrás em dez países. Segundo a revista Época, o ex-funcionário da Petrobrás João Augusto Henriques vinculou o contrato ao pagamento de comissões ao PMDB e a uma doação da Odebrecht de US$ 8 milhões à campanha da presidente Dilma Rousseff. O contrato, ainda conforme o lobista, teria sido feito como compensação ao PMDB para enterrar a criação de uma CPI da Petrobrás no Senado.

Henriques posteriormente negou parte das informações publicadas, mas a revista postou, em seu site, o áudio da entrevista com as declarações. A construtora nega todas as acusações.

A redução do contrato foi revelada pelo Broadcast - serviço de notícias em tempo real da Agência Estado - em junho. Segundo documentos internos da Petrobrás, o acordo inicialmente era de US$ 849 milhões e foi ajustado posteriormente para US$ 825 milhões. No primeiro trimestre deste ano, após cair na auditoria interna, o contrato foi revisto para US$ 481 milhões.

O contrato foi revisto por apresentar irregularidades, conforme fontes ouvidas pela reportagem. O que motivou a auditoria foi a não execução integral de serviços. Segundo três fontes graduadas ligadas à estatal, há suspeitas de motivação política por trás das irregularidades.

Em junho, durante evento em Araucária (PR), a presidente da Petrobrás, Graça Foster, confirmou a redução do contrato. A decisão foi apresentada ao conselho de administração da estatal pela própria executiva no início do ano. A Petrobrás não comentou as denúncias.

Em nota, a Odebrecht negou com veemência "qualquer irregularidade" nos contratos com a Petrobrás". Afirmou que suas doações respeitam a lei eleitoral e que desconhece o questionamento da auditoria da Petrobrás.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.