Petistas pró-aliança com Fruet vencem disputa em Curitiba

Ministro Paulo Bernardo diz que ex-presidente Lula já se prepara para falar com ex-tucano, pré-candidato do PDT

EVANDRO FADEL / CURITIBA, / COLABORARAM TATIANA FAVARO, MARCELO PORTELA, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2012 | 03h03

Defensores do apoio do PT de Curitiba à pré-candidatura de Gustavo Fruet, do PDT, à prefeitura da cidade venceram a primeira disputa contra os que querem um representante próprio no pleito. Em votação interna, que teve 1.921 eleitores, a tese pró-aliança recebeu 1.093 votos (57%), ante 817.

A decisão sobre os rumos do partido será tomada oficialmente nos dias 27 e 28, quando 300 delegados poderão votar. Com a eleição de ontem, os que defendem aliança devem indicar 172 deles, cabendo a candidatura própria apresentar outros 128. Portanto, a convenção, em junho, deve apenas referendar o apoio à Fruet.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, adiantou ontem que o ex-presidente Lula se prepara para conversar com o pedetista. Quando deputado federal pelo PSDB, Fruet foi um dos mais ferrenhos opositores do governo Lula - sobretudo na crise do mensalão. "Hoje é nosso aliado e é absolutamente compreensível a situação, porque o PSDB não o quis candidato", justificou Bernardo. "Nossa questão com Fruet sempre foi política, também batíamos nele".

Além de Bernardo, a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, sua mulher, também defende a parceria com Fruet. Ambos votaram no Colégio Estadual João Bettega, no Bairro Portão.

Ainda de acordo com o ministro, o PT tem como missão fortalecer-se no Estado para as eleições majoritárias de 2014. "Em Curitiba, nossa avaliação é a de que a melhor forma de reforçar o PT é ter uma aliança que seja capaz de ganhar as eleições." A meta do PT da capital paranaense é unir as lideranças e os militantes.

Para Dr. Rosinha, deputado federal e defensor da candidatura própria, no entanto, o partido não deveria "terceirizar" as eleições.

"O PT, individualmente, tem o maior tempo eleitoral e os melhores cabos eleitorais, que são o ex-presidente Lula, a presidente Dilma e a ministra Gleisi. Não tem mais aquele medo de que o PT seja ruim para administrar", afirmou.

Rosinha garantiu que, desde a fundação do partido, sempre respeitou decisões da maioria e que agora não será diferente. Ou seja, caso o apoio a Fruet seja mesmo confirmado, ele deve acatar a decisão.

Pochmann em Campinas. O economista e presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, venceu as prévias do PT e será candidato do partido à prefeitura campineira. Apoiado por Lula, ele teve 1.088 votos e superou o ex-secretário Sebastião Arcanjo, com 428.

Racha em BH. Parte do PT mineiro não se engajará na campanha pela reeleição do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), que terá um petista como vice, mas contará com o PSDB na aliança. Documento enviado pelo PSB ao PT confirmou que o PT indicará o vice de Lacerda, mas é evasivo sobre o pedido de coligação para a eleição proporcional e se omite sobre a coligação com os tucanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.