Petistas planejam fazer 'vaquinha' para ajudar condenados

Ideia é ajudar integrantes do partido, em especial Genoino, a pagar multas impostas pelo Supremo durante o julgamento

O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2012 | 02h09

Integrantes do PT estudam iniciar uma arrecadação de dinheiro para auxiliar os filiados condenados a pagarem as multas financeiras que foram estabelecidas pelo Supremo Tribunal Federal, além da privação de liberdade.

Legalmente o partido não pode destinar nenhuma verba a esse fim, mas petistas próximos a José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares avaliam tirar dinheiro de seus próprios bolsos para ajudá-los a quitar os débitos estabelecidos pelo Supremo Tribunal Federal.

O STF condenou os três a devolver um total de R$ 1,46 milhão aos cofres públicos - a multa de Dirceu foi estabelecida em R$ 676 mil; Genoino deve R$ 468 mil e Delúbio terá de pagar R$ 325 mil. Os valores podem mudar, já que cabe recurso não apenas das penas de prisão, mas também das sanções financeiras. A defesa dos réus vai recorrer para tentar reduzi-las.

O caso considerado mais grave pelos petistas é o de Genoino, que disse a amigos que não tem recursos para arcar com as despesas impostas pelo Supremo. A situação de Dirceu é avaliada como a mais tranquila, uma vez que o ex-ministro teria aumentado sua renda e patrimônio com o trabalho que desenvolve como consultor.

O presidente do PT, Rui Falcão, afirmou que não poderia liderar nenhuma iniciativa nesse sentido, uma vez que ela seria entendida como uma manobra partidária, mas se disse disposto a colaborar. "Se me pedirem, posso contribuir."

Secretário Nacional de Comunicação do partido, o deputado André Vargas (PT-PR), um dos entusiastas da ideia, afirmou que os amigos devem colaborar.

"Eu, pelo menos, quero dar a minha contribuição. Acho absurdo. As pessoas não podem pagar. Conheço o Genoino, o Dirceu, o Delúbio. São pessoas que têm os bens que foram capazes de adquirir com o suor do seu trabalho. Eles nunca colocaram um centavo no bolso", declarou.

Legitimidade. Membro da Executiva Nacional do partido, Markus Sokol afirmou querer ouvir os condenados primeiro a respeito do problema, mas sustentou entender a iniciativa como legítima. "Na história da luta dos trabalhadores mais uma vez se arrecadou dinheiro para tirar gente da prisão ou para não pôr gente na cadeia, ou então para pagar multas que se considerava ilegítimas."

A inspiração dos amigos dos condenados veio de um jantar feito em 2010 para arrecadar fundos para a deputada Luiza Erundina (PSB-SP), que fora condenada em uma ação popular a devolver R$ 350 mil aos cofres da Prefeitura de São Paulo. Um jantar que contou com a participação de amigos e políticos de diversos partidos conseguiu levantar os recursos de que Erundina não dispunha para pagar pela condenação, por todos considerada injusta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.