Petistas defendem ida de Mercadante para Casa Civil

Embora diga que ocupa o "ministério dos sonhos", o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, tem esperanças de ser deslocado para a Casa Civil após a eleição. Para isso, conta com apoio de correligionários do Paraná, que tentariam convencer a ministra Gleisi Hoffmann e a presidente Dilma Rousseff de que a troca seria boa para todos os envolvidos.

JOÃO DOMINGOS / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2012 | 03h00

Petistas próximos de Mercadante avaliam que o ministro não está tão satisfeito quanto suas declarações públicas dão a entender. Na Casa Civil, dizem companheiros do ministro, a visibilidade é nacional. Antes de substituir Antonio Palocci, derrubado após denúncias de evolução patrimonial incompatível com seus rendimentos, Gleisi era uma novata no Senado. Hoje, tornou-se conhecida nacionalmente e comanda os principais projetos de infraestrutura do País.

A ida de Mercadante para a Casa Civil abriria uma vaga na Educação que vem a calhar se o ex-titular da pasta Fernando Haddad passar para o segundo turno da eleição paulistana. O deputado peemedebista Gabriel Chalita (SP) poderia ser indicado para a ministério como recompensa por um eventual apoio ao candidato petista. Em quarto lugar na disputa, com 6% da preferência dos eleitores, segundo o Ibope, Chalita já trocou acusações com o tucano José Serra e anteontem, em debate da Arquidiocese de São Paulo, criticou o líder das pesquisas, Celso Russomanno (PRB).

Retorno. Para convencer Gleisi e Dilma da viabilidade da operação, Mercadante conta principalmente com o PT paranaense. O objetivo é convencer a ministra e a presidente de que, para viabilizar a candidatura ao governo do Paraná em 2014, é melhor Gleisi voltar a exercer o mandato de senadora. Dessa forma, acreditam os defensores do plano, a petista teria maior presença em seu Estado e mais cacife para enfrentar o governador tucano Beto Richa,

"Se a Gleisi não começar imediatamente a fazer política no Paraná, ela não terá chances de vitória", disse o deputado Professor Rosinha (PT), um dos que defendem a volta ao Senado. "Na Casa Civil ela não tem tempo para fazer política. É totalmente consumida pelas atividades ao lado da presidente Dilma."

Tanto Gleisi quanto Mercadante, via respectivas assessorias, negam planos de deixar suas pastas. A ministra mandou avisar que está totalmente dedicada a cumprir determinações de Dilma como criar novos marcos regulatórios para portos, aeroportos e mineração.

O ministro também afirmou estar satisfeito em tocar projetos como o Ciência sem Fronteiras, em parceria com o Ministério de Ciência e Tecnologia, de onde saiu para assumir o MEC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.