Petistas batem rivais nas maiores cidades do quintal tucano

Análise: José Roberto de Toledo

O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2012 | 02h06

Os prefeitos eleitos do PT vão governar mais eleitores do que o PSDB em três Estados cujos governadores são tucanos. Em São Paulo, Minas Gerais e Goiás a maior parte do eleitorado está em cidades que serão comandadas pelo PT. É sinal de que a polarização PT x PSDB se mantém firme na política brasileira - e de que as tensões entre os dois partidos vão continuar altas.

Nos próximos dois anos, 274 prefeitos petistas terão que lidar diretamente com governadores tucanos. Esse contingente aumentou em 25 prefeituras em comparação a 2008. Isso significa que um terço do crescimento do PT nestas eleições aconteceu no quintal tucano, ou seja, em Estados comandados pelo PSDB. É mais uma prova de que, nas eleições municipais, governadores e presidentes influem pouco na decisão de voto.

Ao contrário do que afirmou o presidenciável tucano Aécio Neves, o avanço petista não se deu apenas nos grotões. No Estado de Aécio os petistas comandarão cidades que, na média, são 42% maiores do que as que terão prefeitos do PSDB. Os 114 municípios onde o PT ganhou a prefeitura em Minas Gerais somam 3,4 milhões de habitantes. Seu porte médio é de 30 mil pessoas. A média das 142 cidades ganhas pelo PSDB é de 21 mil habitantes e nelas moram cerca de 3 milhões de mineiros.

As três maiores cidades mineiras a serem governadas por prefeitos petistas são Uberlândia (a 2.ª maior de Minas), Ribeirão das Neves (a 7.ª maior) e Governador Valadares (9.ª). As três maiores prefeituras conquistadas pelos tucanos são as de Betim (5.ª maior), Divinópolis (12.ª) e Barbacena (19.ª).

A renda média das cidades mineiras a serem governadas por prefeitos petistas equivale à dos municípios onde o PSDB venceu: R$ 1.375 a R$ 1.388. Tampouco há diferença significativa na cobertura do Bolsa Família: em média, 30% das famílias recebem o benefício federal nas cidades petistas, ante 29,8% nas tucanas. Isso significa que o perfil socioeconômico de umas e outras é bem parecido.

Em São Paulo, porém, há uma distinção grande entre os municípios tucanos e os petistas. Mesmo excluindo-se a capital do Estado, as cidades a serem comandas pelo PT são, em média, 144% maiores do que as que terão prefeitos do PSDB a partir de janeiro: 111 mil habitantes, ante 46 mil. Com a cidade de São Paulo, a diferença vai a 500%.

A razão é simples: os tucanos elegeram 176 prefeitos paulistas, ante apenas 67 do PT. Mas para vencer em tantas cidades o PSDB precisa, obrigatoriamente, ganhar muitas cidades pequenas, enquanto as vitórias petistas estão concentradas em municípios de grande porte e próximos à capital.

Além de São Paulo (maior cidade do Brasil), o PT elegeu os prefeitos de Guarulhos (2.ª maior cidade paulista), de São Bernardo do Campo (4.ª), Santo André (5.ª), Osasco (6.ª) e São José dos Campos (7.ª). As maiores prefeituras ganhas pelo PSDB no Estado de São Paulo foram Sorocaba (9.ª maior), Santos (10.ª) e Piracicaba (17.ª). Os prefeitos paulistas do PT governarão 10,6 milhões de pessoas mais do que os tucanos.

Em Goiás, onde o PSDB também tem o governo estadual, o PT manteve as prefeituras da capital, Goiânia, e da terceira maior cidade do Estado, Anápolis. E tomou do PSDB o comando de Valparaíso de Goiás, o 7.º município goiano.

O diagnóstico de Aécio está apenas parcialmente correto: o PT caminha célere também para os grotões - o que pode ser um problema para o candidato tucano à Presidência em 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.