Petista cita mensalão e provoca 'jovem' FHC

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirma que a oposição tentou "acabar com o PT" e com seu governo em 2005. Na única vez em que usa a palavra "mensalão", aproveita para provocar o PSDB e seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso.

O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2013 | 02h05

"Tentaram usar o episódio do mensalão para acabar com o PT e, obviamente, acabar com o meu governo. Na época, tinha gente que dizia: 'O PT morreu, o PT acabou'. Passaram-se seis anos e quem acabou foram eles", diz o ex-presidente no livro 10 Anos de Governos Pós-Neoliberais: Lula e Dilma. "O DEM nem sei se existe mais. O PSDB está tentando ressuscitar o jovem Fernando Henrique Cardoso porque não criou lideranças, não promoveu lideranças. Isso deve aumentar a bronca que eles têm da gente - que, aliás, não é recíproca."

Era a segunda citação de Lula ao escândalo de 2005. Na primeira vez que menciona o episódio, ele se refere apenas à "denúncia" e descreve como era a "sala de situação" para lidar com o caso. "Quando saiu a denúncia, foi uma situação muito delicada", recorda. "Eu tinha uma equipe e criamos uma sala de situação, da qual participavam Dilma (Rousseff, que foi titular de Minas e Energia e da Casa Civil no governo Lula), Ciro (Gomes, então ministro da Integração Nacional), Gilberto (Carvalho, então chefe de gabinete de Lula) e Márcio (Thomaz Bastos, da Justiça)."

Em outra menção a FHC, Lula cita o escândalo da emenda da reeleição. Ao recordar os primórdios do PT, o ex-presidente conta ter ido ao Acre "para convencer o Chico Mendes a entrar no PT, para convencer o João Maia - aquele que recebeu dinheiro para votar na eleição do Fernando Henrique Cardoso e era advogado da Contag - a entrar no PT".

Em 1997, Maia foi expulso do PFL (hoje DEM) e renunciou ao mandato após ser acusado de vender seu voto. No livro A Arte da Política - A História que Vivi, FHC não descarta que os deputados do Acre tenham sido comprados, mas diz que havia governadores e prefeitos interessados na aprovação e nega envolvimento do governo federal. / I.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.