JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Pérsio Arida diz que Bolsonaro sempre votou contra medidas modernizantes

Principal assessor econômico de Alckmin defendeu agenda liberal para o próximo governo, principalmente no que se refere a privatizações

André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 22h23

SÃO PAULO - Principal assessor econômico do pré-candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB), o economista Pérsio Arida criticou um dos principais adversários do tucano na corrida presidencial, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), ao afirmar que, na Câmara, ele "sempre votou contra medidas modernizantes", como o Plano Real, a reforma da Previdência e, mais recentemente, o cadastro positivo.

+ Alckmin anuncia equipe econômica com criadores do Plano Real

Arida, que foi presidente do Banco Central (BC) durante o governo de Fernando Henrique Cardoso e fez parte da equipe de economistas que formulou o Plano Real, deu a declaração em um evento na Casa do Saber, em São Paulo, na noite desta terça-feira, 5. O espaço tem promovido encontros com economistas ligados a pré-candidatos.

Em uma sala lotada com capacidade para cerca de 70 pessoas, Arida defendeu uma agenda liberal para o próximo governo, principalmente no que se refere a privatizações. "Há razões para existir estatais?", questionou. "É difícil justificar uma estatal."

Em seguida, no entanto, disse que um eventual governo Alckmin não tentaria privatizar tudo, porque há três grupos da sociedade que oferecem resistência a isso, como os funcionários das estatais, as empresas que fazem negócios com elas e os políticos que exercem influência nos cargos. "A estratégia é anunciar o que não vai privatizar. Aí você toca o resto", disse.

+ Pérsio Arida diz que privatizar todas as estatais é um 'equívoco'

O economista evitou comentar o desempenho de Alckmin nas pesquisas de intenção de voto, ao alegar que não é a pessoa adequada para isso. No entanto, afirmou que o ex-governador de São Paulo é uma figura com experiência e que já perdeu e ganhou eleições. "E é importante ter perdido porque se aprende com os erros."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.