Perfil do atual comando da estatal enfraquece relações no Congresso

O estilo "trombador" da atual presidente da Petrobrás, Graça Foster, comparável ao da presidente Dilma Rousseff, reduziu a chamada "bancada da Petrobrás" no Congresso Nacional basicamente a uns poucos parlamentares do PT.

BASTIDORES: Andreza Matais e Eduardo Bresciani , O Estado de S.Paulo

30 Março 2014 | 02h07

Abrigo de interesses diversos no governo Luiz Inácio Lula da Silva e na gestão de José Sérgio Gabrielli, a maior estatal brasileira vem tendo uma mudança profunda em sua diretoria na busca de afastar apadrinhamentos políticos. A estratégia, porém, acabou por deixar a empresa vulnerável no Legislativo e motiva alguns parlamentares com interesses contrariados a lavar as mãos e até a apoiar investidas contra a Petrobrás.

Dirigentes da empresa afirmam que os parlamentares da base aliada praticamente abandonaram Graça Foster nesse momento de crise num troco à forma como são tratados por ela. Conseguir uma agenda com a presidente da Petrobrás é considerado uma vitória. E quem consegue, frequentemente é mal recebido e dificilmente tem sua demanda atendida. "A verdade é que tem dois grupos, o do Lula e Gabrielli e o da Graça e da Dilma", dispara um deputado federal que está na lista dos que perderam trânsito na empresa.

Desafeto de Dilma, o ex-presidente da Petrobrás tinha apoio amplo no Congresso. Aparecia em algumas oportunidades na Casa para defender os interesses da empresa e controlar eventuais crises. Gabrielli tinha ainda a porta de seu gabinete aberta a receber parlamentares e buscava sempre deixar o interlocutor com a sensação de que sua demanda seria atendida, ainda que isso não acontecesse efetivamente.

A mudança no perfil da diretoria faz com que a estatal tenha de depender hoje de parlamentares fiéis ao governo, não à empresa. São os líderes mais alinhados com Dilma que procuram reduzir os danos da crise política que ronda a Petrobrás.

A avaliação na empresa é que se o governo não atuar fortemente, será difícil controlar a CPI. Os parlamentares mais fiéis a Dilma, por sua vez, acreditam que a investigação pode até trazer prejuízos à imagem da empresa por problemas cometidos na gestão anterior, mas garantem que o time atual não será atingido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.