Perdeu nas urnas 'quem quer ser força hegemônica', diz Serra

Governador não poupou elogios a Kassab e disse que a vitória amplia a parceria e mostra vitória da gestão

26 de outubro de 2008 | 21h10

O governador de São Paulo, José Serra, afirmou neste domingo, 26, ao lado do prefeito reeleito Gilberto Kassab (DEM), que os partidos perderam o monopólio nas urnas. E perdeu "quem quer ser a força hegemônica neste País", disse sem citar nomes. E ressaltou que esse não é o caso do PSDB: "A diversidade da nossa aliança em São Paulo mostra isso". "Resultados mostram que todos os partidos devem lutar para corresponder às expectativas dos eleitores", completou.   Veja também: No balanço dos presidenciáveis, Serra é o grande vencedor PMDB leva maior número de prefeituras e será a 'noiva' de 2010 Kassab sai vitorioso e ficará mais 4 anos na Prefeitura de SP Galeria de fotos: 'O dia de Marta' Em disputa apertada, Paes vence Gabeira no Rio Márcio Lacerda, do PSB, é eleito prefeito Geografia do voto: desempenho dos partidos no País  Cobertura completa das eleições 2008 Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos Serra não poupou elogios a Kassab e disse que a vitória amplia a parceria com o governo do Estado: "Kassab, conte conosco. Vamos trabalhar juntos para o povo da cidade de São Paulo, e isso é trabalhar pelo Brasil". Serra disse ainda que a reeleição de Kassab é "muito gratificante". "Fui eleito há quatro anos. A votação de hoje expressa o apoio a nosso plano de governo. E Kassab soube inovar dentro dele. Não há algo mais gratificante do que ter um plano de governo aprovado por uma maioria maior do que o que obtivemos em 2004. Mostra uma ampliação do apoio que tivemos em 2004", afirmou. Em 2004, a chapa era Serra e Kassab.   De todos os nomes ventilados à sucessão de 2010 que atuaram nestas eleições municipais, foi o de Serra, o maior vencedor indireto da disputa. O desempenho do tucano supera, com folga, o de possíveis adversários em 2010: a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) e o governador Aécio Neves (MG), ainda que este tenha conseguido eleger seu afilhado político.  Publicamente ou nos bastidores, eles têm ambições de chegar ao gabinete do 3º andar do Palácio do Planalto, ocupado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva há seis anos.   "Só o Serra sai fortalecido", afirma categórico o cientista político David Fleischer, professor da Universidade de Brasília (UnB). "(Mas) só vamos saber realmente o impacto dessa vitória no final de 2009, quando o jogo político estiver mais definido", ponderou o analista.   Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.