Peluso impõe sigilo total em processos contra magistrados

O presidente do CNJ, Cezar Peluso, decidiu restringir ainda mais as informações sobre processos disciplinares existentes contra juízes e desembargadores em corregedorias e tribunais locais. Antes, pelo menos as iniciais dos nomes dos processados eram sabidas. Agora, nem isso é mais possível.

O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2011 | 03h05

A iniciativa foi tomada após ofício da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) a Peluso. Para os magistrados, esses processos são sigilosos e a divulgação das iniciais permitiria saber quem está sob investigação.

No CNJ, esperava-se uma enxurrada de processos de magistrados contra a medida. Alguns cogitavam entrar com ações alegando danos morais. Segundo o Sistema de Acompanhamento de Processos Disciplinares, há hoje 1.350 processos em andamento contra magistrados. / M.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.