Pelo agronegócio, Campos procura ex-ministro de Lula

Governador encontrou Roberto Rodrigues e ouviu que apoio depende da definição de quem encabeçará chapa

Débora Bergamasco / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2013 | 02h17

O governador de Pernambuco e provável candidato à Presidência da República, Eduardo Campos, quer consolidar um canal de diálogo com o setor agropecuário tendo como ponte o ex-ministro Roberto Rodrigues, titular da Agricultura no governo Lula. Da conversa, ele saiu com a seguinte mensagem: a definição de um eventual endosso do setor à candidatura do partido dependerá, entre outras razões, de quem será o cabeça de chapa do PSB - Campos ou a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, recém-filiada à legenda.

Rodrigues disse ao Estado que hoje seu único compromisso político é com os produtores rurais e os cooperativistas e que, se for chamado para expor suas ideias pelos demais postulantes ao cargo, irá.

Campos esteve na casa do ex-ministro na noite de sexta-feira, em São Paulo. Foi ouvir as demandas e tentar evitar que o agronegócio se afaste de sua candidatura. Após se filiar ao PSB, Marina criticou o líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (DEM-GO), um dos principais articuladores da bancada ruralista e até então apoiador dos planos de Campos. O parlamentar desistiu da aliança depois das críticas da ex-ministra.

Sutilmente, Campos tocou no assunto sobre apoio político e o produtor rural se explicou: "Eu disse a ele que a definição sobre quem é o cabeça de chapa tem que acontecer antes de decidirmos sobre apoio".

Para não se comprometer agora com este ou aquele partido, Rodrigues contou ainda que, com cuidado e transparência, avisou ao colega: "Quem quiser me ouvir para saber o que penso sobre as políticas públicas necessárias ao setor eu vou falar. Pode ser a (petista) Dilma (Rousseff), o (tucano) Aécio (Neves), ou o 'Geraldo das Couves'".

Na visão de Campos, o ex-titular da Agricultura poderia servir como um primeiro canal para tentar romper a resistência dos produtores rurais ao nome de Marina, que aumentou depois do veto a Caiado.

Quando ministro, Rodrigues protagonizou embates diretos com Marina, que estava no Meio Ambiente. Sete anos depois, ela passou a elogiar o colega publicamente e costuma apontá-lo como uma pessoa com quem é possível conversar sobre sustentabilidade.

Conversas. Para mostrar que não é inimiga do agronegócio, Marina tem mantido contato com interlocutores do setor que considera mais ligados aos temas verdes.

Entre os nomes com os quais conversa está Marcos Jank, que até o ano passado era presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), e Roberto Waack, da Amata, empresa que explora áreas da Amazônia de maneira sustentável.

Jank, que atualmente está na BRF, também afirma que o diálogo não significa apoio eleitoral, mas que tem sentido o grupo da ex-ministra aberto a discutir ideias vindas do setor.

Waack, por sua vez, defende que não há nada de "radical" no discurso de Marina: "Nós estamos falando de uma forma mais racional do uso da terra, que é desejada por grandes marcas do agronegócio".

Marina tem dito que há "agronegócios no plural" e defendido que o importante para o País é investir no aumento da produtividade, e não na expansão da área agrícola. / COLABOROU ISADORA PERON

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.