'Pegaram dinheiro ilícito na madrugada'

Responsável pela denúncia formal do mensalão ao Supremo Tribunal Federal, o ex-procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza diz haver elementos para condenar "todos os 36 réus" acusados no processo - dois tiveram a absolvição pedida pelo atual procurador-geral, Roberto Gurgel, por falta de provas. O ex-procurador-geral reprovou a linha de defesa dos réus, de criticar o trabalho de seu sucessor no cargo. Antonio Fernando rebateu tais críticas com os argumentos das próprias defesas: muitos confessaram ter recebido recursos de origem ilegal. "O dinheiro estava ali, pegaram dinheiro ilícito até de madrugada. São eles que estão dizendo, não foi nem o Ministério Público. Isso é fantasia?"

RICARDO BRITO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2012 | 03h07

Antonio Fernando afirmou que não havia elementos para denunciar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lembrou que nem o presidente do PTB, Roberto Jefferson, fez essa acusação, ao contrário do defensor dele, Luiz Francisco Corrêa Barbosa, na sustentação oral. "Ele está fazendo uma avaliação subjetiva, porque não viu nada no processo."

O ex-chefe do Ministério Público, que se aposentou da carreira em 2009 e desde então mantém um escritório de advocacia a dois quilômetros do Supremo, preferiu não polemizar com o delegado Luiz Flávio Zampronha, responsável por conduzir o caso na Polícia Federal. Ele disse considerar "irrelevante" comentar se o ex-ministro José Dirceu deveria ter sido acusado por lavagem de dinheiro e se os empréstimos tomados pelos bancos Rural e BMG eram ou não fictícios. "O que o Ministério Público está imputando está imputando com base no material probatório que ele tem", disse Antonio Fernando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.