Peemedebista mantém pretensões eleitorais

Também alvo de uma ação no STF por causa do mensalão mineiro, Clésio Andrade quer candidatura ao governo de Minas

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2014 | 02h07

Se o Supremo Tribunal Federal mandar o caso de Eduardo Azeredo (PSDB) para a primeira instância, o senador Clésio Andrade (PMDB-MG), pré-candidato ao governo de Minas, passará a ser o único réu do mensalão mineiro cujo caso poderá ser analisado diretamente pela Corte.

A ação penal contra Clésio - ex-vice-governador no primeiro mandato de Aécio Neves (PSDB) no Estado - tramita separadamente da de Azeredo. Ela ainda está na etapa de oitivas e dificilmente será julgada até as eleições de outubro. Por enquanto, a defesa de Clésio não trabalha com a hipótese de que ele renuncie para retardar o processo, o que abriria a possibilidade de mais instâncias de recursos.

O senador foi acusado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro na denúncia que apontou desvio de R$ 3,5 milhões de estatais mineiras para a campanha à reeleição de Azeredo, então governador de Minas, em 1998. Ele era o candidato a vice na chapa de Azeredo.

Mesmo assim, Clésio se diz disposto a enfrentar a batalha interna na convenção do PMDB mineiro em junho para garantir sua indicação como candidato a governador. A sigla está dividida no Estado entre dois grupos.

Um deles, capitaneado pelo ministro da Agricultura, Antonio Andrade, defende uma aliança com o PT em torno da candidatura do ex-ministro Fernando Pimentel ao governo. O outro, liderado pelo ex-ministro Hélio Costa e pelo ex-governador Newton Cardoso, advoga a tese de lançar a candidatura de Clésio. De acordo com aliados do senador, ele contaria com dois terços dos delegados do diretório ao seu lado.

Para dar uma demonstração de força política, o réu do mensalão mineiro está articulando dois grandes encontros com prefeitos mineiros do PMDB nos dias 12 e 14 de março. A ideia é que durante os eventos seja feito o lançamento oficioso de sua candidatura, fato que preocupa o PT. "A princípio, ele está lançado como pré-candidato a governador", afirma o senador Valdir Raupp, presidente nacional do PMDB.

Apesar da declaração, a cúpula peemedebista só espera que o PT declare apoio aos candidatos do partido em Goiás e no Ceará para entrar em cena em Minas e forçar uma aliança com Pimentel. "Eu não acredito em pressão que venha de fora", rebateu Clésio em entrevista recente ao Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.